RESENHA DE A MULHER NA JANELA – POR A.J. FINN
RESENHA DE CONTAGEM REGRESSIVA – POR KEN FOLLETT
RESENHA DE UM SEDUTOR SEM CORAÇÃO – POR LISA KLEYPAS

[Resenha] Quando o mal tem um nome - Por Glau Kemp

08 dezembro 2017


Título: Quando o mal tem um nome
Autor (a): Glau Kemp
Páginas: 204
Editora: Amazon (Lançamento independente)
Skoob
 Compre: Amazon

Sinopse: “Sinto medo. O tipo de medo que persegue até a presença de outras pessoas. Segue até a luz e entra nas cobertas. Não está debaixo da cama ou dentro armário. Está em minha pele e tem um nome. Não pergunte. Não descubra. Nunca saiba o nome do seu medo, ou irá chamá-lo... Seus lábios podem estar selados, mas sua mente repetirá: Donavan... Donavan... Donavan.”
Na Aparecida dos anos 70, uma cidade erguida no centro de um milagre, conhecemos a história de Marta e sua filha Clara. De sua terra cultivada por fé a malignidade cresce no coração de uma mãe devota. As orações que a padroeira não atende são feitas agora para eles: anjos caídos. Ela não deveria saber o nome do demônio que atendeu sua prece, e a abominação despertada é tão grande que todos vão pagar pelo seu pecado. O mal só precisava que alguém o chamasse pelo nome e agora está entre nós.
"Faça uma oração antes de dormir e deixe a luz acesa. Se vir a fé em seus olhos, talvez vá embora. Mas ele virá”
— Por que um demônio iria querer vir até à casa de Deus, minha jovem?
— Por que o senhor iria até a casa do demônio, padre?
— Para levar a luz até ele.
— O demônio também tem seus planos.


"— Se sua fé for maior nas crendices populares do que em Deus e Nossa Senhora Aparecida não vejo porque eles atenderiam suas orações. — Padre Jonas sorriu levantando a sobrancelha, um gesto incômodo aos olhos de alguns senhores que mudaram de paróquia por conta disso, alegando que Jonas era muito galanteador para ser padre. — É na adversidade que a fé se mostra mais difícil, porém mais eficaz para curar a alma. Milagres são realizados a partir da dor e do sofrimento do espírito, mas ele surge na semente da fé. Você tem que ser a primeira pessoa a acreditar no seu milagre."

Marta era uma mulher de meia idade, que no passado havia sido professora, mas que após ter filhos e se casar deixou a antiga profissão. Extremamente devota de Nossa senhora Aparecida, padroeira que dava o nome à cidade onde morava, ela sempre teve um grande sonho: ser mãe de uma menina, uma vez que havia sido agraciada com dois meninos. Desta forma, aos 42 anos engravidou novamente, e sabia que aquela era a sua última chance de ter a tão sonhada menina, para quem ela desejava passar seus aprendizados e ensinamentos. Porém, no decorrer da gravidez, conforme viam sua barriga crescendo, as vizinhas afirmavam, com toda convicção que a barriga da mulher tinha formato de que gestava um menino. Desesperada, a mulher busca então uma forma de saber o sexo do bebê e descobre que suas vizinhas estão certas. E é assim que vendo que suas promessas para a santa não estavam tendo efeito, ela se volta para uma entidade muito mais perigosa do que ela imaginava, que é capaz de proporcionar seu maior sonho, mas também de transformá-lo em seu maior pesadelo.

" — Pra esse neném se chamar Clara, vai ter que fazer mais do que acender vela. E eu não disse que era pro diabo. Um demônio não vai resolver seu problema, você precisa de um mago capaz de invocar vários. — A mulher deixou um cartão na mão dela e se foi. A grávida apertou a barriga, assustada, porém emocionada. Mencionar o nome do bebê antes do nascimento atraía mau agouro e nunca comentou com ninguém que se fosse menina seria batizada de Maria Clara. Nem João sabia da escolha."

É dessa maneira que após os nove meses de gravidez nasce Maria Clara, uma menina diferente, arredia, que seria o resultado de todos os sonhos e esforços da mãe, mas que na verdade é a personificação diária de seu horror e pesadelo. E, conforme o tempo passa e a garota cresce, mãe e filha percebem, aos poucos e com horror, que talvez elas tenham de pagar caro pelo ocorrido em torno da gravidez de Marta, e que estão de mãos atadas perante o Mal quando ele tem um nome, um rosto e um cheiro...

"Lavar. Esfregar. Sangrar.
A sujeira impregna o corpo até os ossos e chega a alma… Afasta de Deus e aproxima do diabo.
Lavar. Esfregar. Sangrar."

Com uma narrativa original, instigante e extremamente bem construída, encontramos em Quando o mal tem um nome uma história que nos arranca exalações de surpresas e nos deixa ávidos para devorar as próximas páginas, ao mesmo tempo que tememos até mesmo o ato de olhar para os lados, enquanto conhecemos o Mal e seus desdobramentos.

""— Padre, por que o criador iria até a casa do demônio?
— Para levar a luz até ele.
— O demônio também veio trazer alguma coisa..."







Eu sempre gostei de ler bons livros de terror, mas pouco encontro coisas nesse gênero que me chamem atenção, o que significa que minha lista de leituras realizadas não é muito dotada de coisas dessa variedade. Porém, enquanto navegava no facebook aleatoriamente, encontrei na página de uma amiga a divulgação da Glau Kemp, e de seu livro que acabara de ser lançado na Amazon. Cliquei no link, e assim que li a sinopse imediatamente fiquei fascinada, cheia de vontade de ler. No entanto, não é só uma boa sinopse que me prende para eu tomar a decisão de ler determinado livro, mas também a boa escrita. E, como ele estava disponível no kindle unlimited, no mesmo momento solicitei o empréstimo  e dei uma espiada nos primeiros parágrafos. Então, foi exatamente aí que residiu a minha maior surpresa: percebi que a escrita da Glau é cativante, daquelas que nos deixa com vontade de ler só mais um pedacinho, e foi assim que me vi devorando o livro, mesmo sem ter planejado fazê-lo, e descobri que é um livro cheio de pontos positivos e ao final me senti totalmente encantada, cheia de vontade de ler mais coisas da autora.

O primeiro ponto favorável para mim é a época na qual se passa o enredo: o livro tem início nos anos de 1970/1971, e isso fez com que eu conseguisse imaginar perfeitamente o momento descrito, pois a autora retratou tudo como eram exatamente as coisas aqui no Brasil, de acordo com o que eu vejo nos relatos históricos, mencionando inclusive os costumes, situação econômica, surgimento de novas coisas, dentre outros fatos que caracterizam a época. Além disso, é muito bacana como ela cria o seu terror através de elementos que fazem até mesmo parte da crendice popular e da fé das pessoas na vida real, como o costume de levar uma vela do tamanho de uma pessoa para Nossa senhora aparecida, quando uma graça é alcançada. Ainda, confesso que fui surpreendida em diversos momentos, e pouco depois da metade do livro, o irmão de Maria Clara lhe faz uma revelação que me deixou totalmente surpresa, sem que eu tivesse esperado em nenhum momento o que foi revelado. Além disso, a obra trouxe algumas coisas instigantes como o modo como as mulheres se sentiam e eram tratadas no período em que se passa a história, como eram vistas algumas crenças e práticas,  dentre outras temáticas de extrema relevância.

Admito que o livro tem um final bem diferente, que eu não esperava, mas que no entanto foi  muito satisfatório, e ouso dizer até mesmo que este tomou um rumo que nenhum dos leitores esperava ou sequer cogitava, mas este me agradou muito e foi o melhor final para a história de Maria Clara.

Não há pontos negativos no geral a destacar. Porém eu, particularmente, senti em alguns momentos a falta de mais detalhes, e principalmente desejaria ter ouvido a visão de outros personagens, a fim de saber como cada um se sentia ou  pensava. Mas, ainda assim não considero esse como um ponto negativo, pois foi uma particularidade muito minha que sou detalhista e que gostei tanto da história que queria mais sobre ela.

Quanto as personagens da obra, as mulheres Marta e Maria Clara são quem protagonizam o enredo, e ambas são do estilo de personagem que ao mesmo tempo que nos causam simpatia, em seguida nos deixam temerosos e sem saber o que pensar de seus atos. Já os homens da trama, todos em algum momento nos decepcionam, por seus atos egoístas, machistas e brutos.

O livro é de leitura muito rápida, e a narrativa é feita em terceira pessoa, e o enredo traz duas partes, na primeira parte vemos como protagonista Marta, e na segunda Maria Clara, e possui 38 capítulos curtos, além de epílogo e nota explicativa da autora, que por sinal é também muito instigante, devido há algumas coincidências que ela nos conta que aconteceram durante a escrita do livro. Além disso, a edição atualmente está disponível somente no formato ebook, e está com uma ótima revisão.

Algo muito interessante a respeito dessa obra, é o fato de que desde o seu lançamento ela está dentre os mais vendidos da Amazon, estando nos primeiros lugares na lista de terror, e chegou inclusive a tomar o primeiro lugar, ficando acima de It, de Stephen King, e está dentro da listagem dos 200 mais vendidos da loja Kindle.

Recomendo essa história para leitores que gostam de bons terrores, ou de enredos que mexem com os nossos pensamentos e medos mais íntimos, e que nos fazem lembrar de tudo que se passou, muito depois de virarmos a última página. Essa certamente é uma autora que vale a pena conhecer, e ela foi uma das ótimas surpresas que encontrei na literatura em 2017.






Tamara Padilha
Leitora compulsiva com foco em quase todos os gêneros
(exceto os romances de época e ficção científica).
Apaixonada por escrita, e em breve bacharel em direito.
13 Comentários | BLOGGER
Comentários | FACEBOOK

13 comentários:

  1. A sinopse deste livro também me fascina, fico meio receosa em fazer a leitura porque dia desses vi um do mesmo tipo e comecei a ler, o livro é tão tedioso que me irrita, quero ler até o fim só pra saber o desfecho.
    Como viu sou curiosa e levando em conta sua resenha eu quero muito ler e ver se eu me surpreendo, como parece.

    Beijos.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi Tamara!

    Tudo bem? Então o título do livro já me afastou completamente nele. Eu evito de qualquer jeito qualquer coisa do gênero de terror, mas o que mais me chamou atenção na obra é o fato de ela se passar no início dos anos 70. Pra quem gosta de terror esta foi uma década muito interessante.

    É muito bom quando o final foge daquilo que esperamos durante a leitura, mas como disse o fato de ser terror realmente me afasta do livro.

    Enfim, eu vou passar a dica.
    Beijinhos - Jessie
    www.paraisoliterario.com

    ResponderExcluir
  3. Olá♥
    Estava começando a gostar do enredo quando vi falando de Nossa Senhora aparecida, na qual sou devota, mas quando percebi que o livro se voltava para outro lado e principalmente o terror eu desistir de vez. Podia jurar que era suspense. Mas confesso que livros de terror não fazem meu estilo eu até tento ler, mas sei que será uma leitura improdutiva. Gostei da sua resenha e da forma como falou abertamente sobre o livro. Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Eu morro de medo de livro,filme,hq de terror,mas esse me chamou muito a atenção,TIPO,muito.UAU!A história é parece bem envolvente e ainda se passa em território nacional.PRECISO DESSE LIVRO.
    Suas considerações me deixou fascinada,quero muito ler já vou anotar a dica.
    bjs

    ResponderExcluir
  5. Caramba, superou It! É muito bom quando vamos só dar uma espiada no livro e ele nos cativa de tal forma que é impossível não seguir a leitura! Esse não é o genero de minha preferencia mas só de saber que a autora teve um bom embasamento histórico e se aproveito disso na hora de relatar os fatos, já me animo!

    ResponderExcluir
  6. Oi.

    Eu adoro livros ambientados nos anos 70, então já ganhou um ponto comigo. Li poucos livros de terror na vida, mas acho que esse me cativou. Além da sinopse ser chamativa, essa capa é linda! Que bom que o final foi diferente do que esperava, espero que eu me surpreenda também. :)

    beijos.

    ResponderExcluir
  7. Eu não leio livros de terror, mas fiquei curiosa com este aqui e com a forma como o enredo chamou a sua atenção, porque confio muito na sua opinião. Aind anão conehcia a autora e fiquei bem interessada.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oie!!!
    Eu não consigo ler livros de terror, acredita? Mas achei a história bem interessante e diferente até. Adoro livros que acabam por nos surpreender no final. Infelizmente, esse livro não combina muito com o meu estilo, mas anotei a dica e vou mandar pra uma amiga minha que ama o gênero.

    beijos
    Livros & Tal

    ResponderExcluir
  9. Oiiii,

    Terror não é meu gênero preferido, posso contar nos dedos quantos já li é realmente não consigo me obrigar a ler, simplesmente porque eu me impressiono fácil e acabo ficando meio paranoica depois da leitura rs. Más preciso admitir que gostei muito da sinopse, me pareceu mesmo ser um livro que quando se começa não da vontade de parar, mesmo você achando que alguns detalhes não foram tão trabalhados, mas mesmo gostando eu acho que não leria porque o gênero em si não consegue me prender. Quem sabe um dia se eu estiver no clima de ler esse tipo de história eu dê uma chance.

    Beijinhos...
    http://www.paraisoliterario.com

    ResponderExcluir
  10. Olá,

    Eu tinha visto esse lançamento em outro blog, mas como não era uma resenha, não sabia do que se tratava. Não sou muito fã de terror, porém essa premissa é muito intrigante, fiquei doida querendo saber como será o final dessa história e o que é esse mal. Às vezes é bom sair da zona de conforto e por isso irei anotar a dica.

    Beijos,
    oculoselivrosblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Olá, tudo bom?


    Esse é um tipo de história que eu, normalmente, não leria, mas a sua resenha me deixou curiosa. É legal ver o tipo de perosnagens que ela escolheu, sendo as mulheres as principais e os homens decepcionantes (este último é um retrato da realidade). Fiqui curiosa sobre o final, já que ele é diferente do usual e você gostou, então fiquei imaginando sobre como ela fechou a história. Além disso, é realmente uma pena que não tenha a visão de outros personagens, já que seria interessante ver o ponto de vista deles.

    Enfim, adorei a resenha e agradeço a indicação :)
    Abraços.

    ResponderExcluir
  12. Oi, Tamara!
    Eu não sou de ler tanto o gênero, mas estou tentando mudar isso. Fiquei curiosa com a premissa porque assim como você achei bem original. Ainda não conhecia o livro, mas já fiquei interessa por ele ter sido um dos mais vendidos na amazon. Anotei a dica para conferir em breve.

    Beijos,

    Rafa - Fascinada por Histórias

    ResponderExcluir
  13. Oi!
    Eu gosto muito de terror, mas ainda não tinha visto esse livro.
    Adorei saber que ele se passa no brasil e que a autora pesquisou bem antes de escrever a história, isso mostra que todo reconhecimento que está tendo é merecido.
    Dica anotada, com certeza vou querer ler

    ResponderExcluir

 
© Galáxia de Ideias, VERSION: 01 - BLUE UNIVERSE - janeiro/2018. Todos os direitos reservados.
Criado por: Maidy Lacerda. Widget inspirado/base do menu por MadlyLuv
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo