RESENHA DE UMA HISTÓRIA DE VERÃO – POR PAM GONÇALVES
RESENHA DE UM BEIJO Á MEIA-NOITE – POR ELOISA JAMES
RESENHA DE OS PÁSSAROS – POR FRANK BAKER

[Resenha] Gilda, La abanderada de la bailanta - Por Alejandro Margulis

23 janeiro 2018

Título: Gilda, la abanderada de la bailanta
Autor (a): Alejandro Margulis
Páginas: 200
Editora: Planeta
Compre: Mercado Livre || Amazon Inter

Sinopse: A protagonista desta história é a famosa cantora "bailantera" Gilda - Miriam Alejandra Bianchi -, que morreu tragicamente aos 34 anos, quando começava a ser considerada uma santa na Argentina, no Chile, na Bolívia e no Peru. Uma mulher de classe média que queria cantar músicas melódicas, admiradora de Dyango, chegou a "bailanta" aos 33 anos e aceitou musicalizar suas letras, com um forte tom de revindicação dos direitos das mulheres e em contraste com o machismo típico de bailanta, no ritmo da cumbia, desejando exercer sua vocação secreta. Sua história é então dramática e contraditória desde a identidade de origem. Alejandro Margulis escreveu uma história atraente e emocionante. Pela primeira vez, o primeiro marido de Gilda, Raúl Cagnin, dá sua versão pessoal, descrevendo o namoro e depois a vida conjugal cheia de dificuldades que a vocação da artista conseguiu superar. Em meio ao movimento tropical que assolou a Argentina, a Bolívia e o Peru desde a década de 1990, Gilda se distinguiu em sua luta para se alçar sem abandonar seus filhos, em um mundo de preconceitos misóginos e mesquinos. Seus diários secretos também são reproduzidos, em que ela deixou um legado espiritual e vital para seus fãs em toda a América Latina. Antes de morrer, Gilda disse que queria ser lembrada como "a defensora da bailanta". Este livro realiza o desejo final da cantora transformada em santa.



Diretamente da Argentina para o Galáxia de Ideias. Sem resumo por um simples motivo: resumir um achado tão fantástico seria impossível.

É a história de uma mulher que, enfrentando a misoginia, a mesquinharia e o machismo do mundo musical tropical, chegou até onde nem mesmo a mais consagrada das cantoras argentinas foi: a própria santidade, outorgada pelos fãs quando a própria Gilda não se considerava santa. Fãs que mandam rezar missas, acendem velas, fazem pedidos e promessas, tentando alcançar graças. E quando conseguem, enchem o túmulo e o santuário da cantora de placas, ex-votos, terços, fotos, santinhos. Um fenômeno ainda hoje firme e forte que nem o melhor dos sociólogos se torna capaz de realmente explicar mesmo negando a santidade da cantora. Os mesmos com certeza negam também a santidade da Defunta Correa e pasmem, Evita Perón. Descontando os muitos outros santos consagrados pelo povo existentes mundo afora, incluindo o próprio Brasil, com seu tão comentado sincretismo religioso.

“Shyll pisa pela primeira vez o Dock Sud aos trinta e um anos de idade.
As únicas divas da bailanta são Lía Crucet e Gladys, A Bomba Tucumana, duas mulheres voluptuosas até não poder mais que monopolizaram a atenção e as carteiras dos amantes do gênero.

Shyll engole o medo ao ver onde está se metendo.
Vai ao encontro de um futuro melhor para ela e sua família; e o que a espera é a morte, a santidade e a fama.” – Pág. 11

(Essa e outras quotes, que ficarão para o próximo post em razão deste ter ficado grande, além da sinopse, foram traduzidas por mim diretamente do espanhol.)

Uma história que começou em 11 de outubro de 1961, quando Miriam Alejandra Bianchi nasceu, no bairro de Villa Devoto, capital Buenos Aires. Essa que o jornalista americano naturalizado argentino Alejandro Margulis conta sem tomar partido específico de um lado ou outro. Ele está ali simplesmente para contar a história de alguém que, somente querendo exercer a vocação por anos reprimida, mudou para sempre a própria história da música tropical e nela reivindicou os mais básicos direitos femininos: o de não sofrer o machismo imposto pelos homens naquele universo cheio de maldade e patifaria e o amor próprio que até as músicas negavam. Assim como a sociedade.

Com depoimentos de Raúl Cagnin, de José Carlos “Cholo” Olaya e do próprio Toty Giménez, Margulis disseca, como um cirurgião dedicado, cada pormenor da vida daquela tão fascinante e mítica figura, mostrando uma Gilda até então realmente pouco conhecida dos fãs: um ser humano como qualquer outro, com seus defeitos, seus desejos, suas vontades, seus dilemas, mas, acima disso, alguém que não desistiu de seus sonhos mas ao mesmo tempo, não queria abrir mão de si mesma. Muito menos de seus filhos, que para ela vinham em primeiro lugar.






A partir do momento em que se começa o livro, não há como largar, mas ao mesmo tempo, é difícil querer terminar, pois, mesmo sabendo o fim da história, realmente desejamos que a personagem esteja ali para que possamos abraçá-la e dar todos os parabéns por ter conseguido manter-se incólume em seu caráter nesse caminho difícil que ela teve de percorrer. Igualmente queremos abraçar o autor por ter se empenhado tanto em nos contar essa bela história. Que certo modo continuou em 2016, quando Margulis publicou Santa Gilda, su vida, su muerte, sus milagros. Mas isso é assunto para outra postagem.

Caminho esse que Alejandro Margulis descreve com todos os detalhes possíveis e imagináveis, deixando qualquer leitor espantado com como as coisas funcionavam naquela época. Uma produtora que mais parecia uma fortaleza, um empresário musical com uma folha corrida digna de um bandido, mas procurado por incontáveis moças sonhando em fazer carreira na música, músicos vindos de várias partes da América e um monte de outras coisas que fizeram eu me perguntar como Gilda conseguiu manter sua essência. Porque, a medida que vamos lendo, fica impossível não pensar que tudo podia ter acontecido, ainda mais quando, depois de uma forte desavença, a cantora deixou de ser “empresariada” por “El Cholo” Olaya, que em 1996 seria detido por atirar nove vezes contra o cantor Carlos Chávez Navarrete, que veio a morrer assassinado no ano seguinte. Hoje, ninguém sabe o paradeiro da pessoa, que em 2012 encontrava-se no Chile, mas não se pode negar que ele foi o responsável por Gilda dar seus primeiros passos na carreira.

“Gilda”, nome pelo qual a cantora foi consagrada, veio de um modo totalmente distinto do qual eu havia colocado em meu post anterior sobre ela. Desde menina Miriam gostava de uma personagem de tv ou revista, algo que ninguém até hoje, nem mesmo Margulis, sabe ao certo, e apelidou-se como “Shyll”. A confusão na pronúncia do nome fez Olaya decidir-se a chamá-la “Gilda” e assim começava o nascimento de um fenômeno.






Esse que nasceu em meio a todas as adversidades proporcionadas pelo mundo da fama e da música, tarefas domésticas, convivência com os filhos, familiares e amigos. Belamente, eu diria quase poeticamente, descritos por Margulis, que em nenhum momento tem realmente voz ativa nessa trama tão real. Todo o livro é narrado pelos depoimentos de todos aqueles que viram Gilda nascer, viver e ir-se, em especial de Raúl, o primeiro e único marido da cantora, pai de Mariel e Fabricio, os filhos pelos quais a cantora foi em busca de um futuro melhor no mundo musical.

Corrigindo mais um equívoco do meu post anterior sobre a cantora, Gilda casou-se em 1984 e no ano seguinte tornou-se mãe pela primeira vez e dois anos depois veio o segundo filho. O que torna o falecimento da cantora ainda mais triste, pois infelizmente a filha mais velha faleceu junto da mãe com apenas onze anos de idade enquanto o mais novo, na época com nove, sobreviveu para carregar eternamente o trauma de ter perdido a mãe, a irmã e a avó de uma só vez, sem contar que o próprio quase morreu no acidente que vitimou metade de sua família. Tanto que não se tem qualquer depoimento de Fabricio Cagnin no livro. Compreensível, se me perguntarem.

Um terceiro equívoco a ser corrigido e aqui eu trago até um pouco de polêmica, é o fato de que, no decorrer da publicação, descobre-se que Toty Giménez nunca chegou a qualquer termo amoroso com Gilda, o que muitos alegaram por anos, embora ele nunca negue que tentou muito. Ela, porém, tinha mais com o que se preocupar. No caso, seus filhos eram sua maior preocupação, ainda mais quando a separação do marido, inicialmente, não correu em termos muito amigáveis devido a busca de Miriam pelo sucesso. O que poderia ter feito o marido requerer a guarda das crianças. Ainda mais quando ainda hoje muitas mulheres são criticadas por correrem atrás do sucesso em detrimento do que a sociedade considera aceitável.

Gilda, la abanderada de la bailanta é, por fim, um livro que merece ser lido e apreciado por todos aqueles que buscam compreender como funciona os mecanismos do mundo artístico e também inspirar muitos a não desistirem de seus sonhos, mas também não se perder no caminho para a realização.








Renata Cezimbra
Professora desempregada, leitora voraz,
escritora doida e vampiróloga amadora.
17 Comentários | BLOGGER
Comentários | FACEBOOK

17 comentários:

  1. Oi Renata!

    Tudo bem? Então, eu achei a história muito interessante mesmo. Gosto de livros sobre histórias reais, apesar de em geral ficar na ficção mesmo.

    Deve ter sido muito interessante ler sobre a luta (e o sucesso!) da cantora. A gente sabe que os países latinos são complicados quando o assunto é machismo e misoginia. Ver que a Gilda chegou longe mesmo com vários fatores contra ela é inspirador.

    Então, eu não vi o post anterior com os equívocos, mas achei legal você corrigi-los aqui apresentando a história real da cantora.

    Beijinhos
    www.paraisoliterario.com

    ResponderExcluir
  2. Gostei da proposta. Ultimamente ando me jogando em livros que abordam direitos das mulheres. Por isso a dica está super anotada *_*

    Beijos
    www.saidaminhalente.com

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia o livro, obvio, mas também não conhecia Gilda e nem sua santidade, mas em quesitos religiosos eu sou mega curiosa. Ainda mais em saber todos percalços que ela enfrentou para se tornar digna de uma imortalização religiosa e literária.
    Tenho que mencionar que o desfecho da resenha é perfeito, para deixar qualquer um louco para ler tal livro. Adorei.

    Beijos.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Não é um livro que eu compraria, mas achei a proposta dele muito interessante e para quem gosta deve ser uma ótima leitura. Gostei da capa, achei linda, e gostei bastante da resenha também.

    ResponderExcluir
  5. Não conhecia o livro nem a história de Gilda, mas fiquei bem interessada na história. Parece ser um belo livro e uma bela personagem histórica para se conhecer.
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderExcluir
  6. Oi Renata tudo bem?
    Já tinha ouvido falar desse livro, mas não tinha me empolgado acho que é devido ao que foi falado, mas enfim. Gostei muito da sua resenha foi fascinante seu comentário, agora sim fiquei empolgada em ler, mas ansiosa por conhecer a história de Gilda. Obrigado, bjs.

    ResponderExcluir
  7. Oi, tudo bem?
    Eu ainda não conhecia esse livro e confesso que nunca ouvi falar sobre Gilda. Parece que a trajetória dela foi intensa e cheia de adversidades, mas que é foi uma mulher inspiradora.
    No entanto, admito que não fiquei curiosa para conhecer a obra. Normalmente já não me interesso muito por livros que são mais biográficos, e como se trata de uma pessoa da qual nunca tinha ouvido falar, é uma leitura que não me atrai. Porém, para quem conhece a cantora ou gosta desse estilo de livros, deve ser uma ótima indicação.
    De qualquer forma, adorei sua resenha e fico feliz que tenha sido uma leitura proveitosa para você.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Oi Renata, fiquei curiosa em saber como foi sua escolha por esse livro, eu mesma não conhecia a cantora, acabei de ouvir algumas músicas e realmente não curti muito o estilo. Vi que esse livro é de 2012 se não me engano...

    Nara Dias
    www.viagensdepapel.com

    ResponderExcluir
  9. Oiii!

    Eu não conhecia esse livro e nem sabia muito sobre a cantora. Confesso que a primeira vez que vejo foi atraves de seu post. Que bacana conhecer esse livro, acho legal conhecer as obras de famosos e todos os backstages. Quem sabe eu não leia um dia desses.

    Beijnhos

    ResponderExcluir
  10. Oi, tudo bem?

    Nossa, que legal. Nunca me imaginei lendo um livro em espanhol e esta resenha despertou vontades desconhecidas hehehe

    Imagino que a leitura de Gilda deve ter sido um tanto quanto surpreendente por todo contexto que ela está inserida.

    Não tenho como descrever o quanto fiquei encantada pelo enredo e o quanto desejo realizar esta leitura!

    Obrigada pela dica (:

    Abraços!

    ResponderExcluir
  11. Oie!
    Nossa esse livro pra mim, é uma descoberta, não conhecia nada sobre a protagonista, nem tudo o que ela passou, com certeza é uma história inspiradora, apesar de um pouco triste em alguns momentos, pra quem gosta desse estilo de leitura, com certeza é uma boa pedida, eu fiquei curiosa.

    Beijos,
    Eli - Leitura Entre Amigas
    http://www.leituraentreamigas.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Olá, só pela sua ótima resenha já passei a admirar essa cantora que eu ainda não conhecia mas sobre a qual já vou pesquisar mais. Vou anotar o nome do livro pra ler também.

    ResponderExcluir
  13. Olá, tudo bem?

    Não conhecia esse livro e nem a protagonista. Mas dever ter sido uma ótima leitura. Vou anotar a dica para entender um pouco melhor esse mundo artístico, que só mostram "coisas boas".

    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Olá!
    Não conheço a Gilda, mas achei a história relatada por você bem pesada e triste, mas ao mesmo tempo a luta para alcançar o que se sonha em uma época completamente diferente da nossa e realmente inspirador. Vou procurar ler mais sobre ela (aqui mesmo já que disse que existem outros posts) e no futuro ler sua indicação.

    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Oie, tudo bem? Nossa, pelo menos pelos comentários não preciso me sentir envergonhada por nunca ter ouvido falar da Gilda hahahaha. Então, é dificil se interessar por uma biografia de quem vc não conhece, mas a vida dela me chamou atenção. A tragédia, a forma como ela viveu e a questão de ser considerada santa misturaram na minha cabeça a similaridade com a vida de pessoas que gosto e me interesso bastante. Ler um livro em espanhol deve ser bacana, taí uma coisa que nunca tinha pensado em fazer. Gostei da sugestão e vou ler mais sobre a Gilda antes de pensar em.comprar o livro. Bjossssss


    www.porredelivros.com

    ResponderExcluir
  16. Oi,
    adorei ler sua resenha, primeiro porque nunca havia lido nada sobre esse livro antes e segundo porque a personagem da vida real me pareceu realmente ter sido uma grande mulher, o que perpetua até os dias de hoje, né? Fico feliz e saber que Gilda é referência em assuntos tão importantes e que sua fama sobrevive ao tempo e a sua morte.

    Abraços!
    Nosso Mundo Literário

    ResponderExcluir
  17. Oie, tudo bom?
    Adorei sua resenha, achei o livro bem interessante. Eu não conhecia o livro e tampouco tinha ouvido falar sobre a Gilda. Mas ela me pareceu ter sido uma mulher guerreira, com tudo que ela passou e como ela influencia as pessoas até hoje, seja através de sua música ou de sua biografia.
    Vou procurar saber mias sobre ela.

    Beijos.

    www.manuscritoliterario.com.br

    ResponderExcluir

 
© Galáxia de Ideias, VERSION: 01 - BLUE UNIVERSE - janeiro/2018. Todos os direitos reservados.
Criado por: Maidy Lacerda. Widget inspirado/base do menu por MadlyLuv
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo