RESENHA DE UMA HISTÓRIA DE VERÃO – POR PAM GONÇALVES
RESENHA DE UM BEIJO Á MEIA-NOITE – POR ELOISA JAMES
RESENHA DE OS PÁSSAROS – POR FRANK BAKER

[Resenha] Os crimes da Rua Morgue - Por Edgar Allan Poe

16 janeiro 2018


Título: Os crimes da Rua Morgue
[E outras histórias extraordinárias]
Autor (a): Edgar Allan Poe
Páginas: 224
Editora: Fantástica Rocco
Skoob || Goodreads
Compre: Amazon || Submarino || Americanas

Sinopse: Com “Os crimes da rua Morgue”, Edgar Allan Poe inaugurou, em 1841, a moderna literatura policial e criou um de seus mais célebres detetives, o até hoje reverenciado Auguste Dupin. O conto, que narra a memorável investigação do assassinato de duas mulheres em um quarto fechado, é o carro-chefe desta reunião de histórias de terror e mistério traduzida por ninguém menos que Clarice Lispector. Grande leitora e fã da literatura policial, a escritora, que também verteu para o português os livros de Agatha Christie sob o pseudônimo de Mary Westmacott, empresta seu talento invulgar ao gênio de Poe, trazendo para o leitor brasileiro histórias como “A máscara da morte rubra”, “O gato preto”, “Ligeia” e outras. Lançamento do selo Fantástica Rocco, esta edição de Os crimes da rua Morgue e outras histórias extraordinárias recupera este encontro, literalmente, fantástico.


Acho que nunca me senti na posição onde não saberia o que falar sobre um livro. Primeiramente pelo fato dele ser uma coletânea de contos policiais / suspense / sobrenatural. E segundo ser um clássico da literatura escrito por um autor pioneiro na literatura policial que inspirou tantos autores que hoje agradam leitores de todos os lugares: Edgar Allan Poe.

Aqui tive contato com o trabalho de duas pessoas reconhecidissímas no meio literário que ainda não tinha tido o prazer de conhecer, sendo eles o próprio Edgar Allan Poe, e também a tradutora que colocou muita personalidade na obra: Clarisse Lispector. Confesso que saber que a Clarisse traduziu o livro me animou muito mais em ler a obra do que o fato de ser um clássico do Poe. Mas descobri ao longo da leitura que o trabalho combinado dessas figuras resultou em um magnifico livro.






Seria impossível falar de todos os 18 contos que compõe essa obra sem que essa resenha ficasse imensa. Mas ambos possuem similaridades entre eles como o fato de terem elementos sobrenaturais, serem voltado para o suspense e thriller psicológico, como também de seus narradores não falarem seus nomes, o que descobri apôs a leitura ser um traço da personalidade do Poe, o que considero genial. Senão sabemos quem são, eles se tornam misteriosos, suas narrativas desconfiáveis, e suas personalidades loucas e perturbadas. Alguns contos de fato são perturbadores como o "Os dentes de Berenice" em que seu noivo possuí uma doença que faz com que ele fixe com determinadas coisas, e aqui é os dentes de Berenice. Outros contos no entanto achei monótono, e ate mesmo, deu aquela vontadezinha básica de pular. Mas foram poucos, no geral todos contos são incríveis.







Um dos meus inúmeros receios quanto a ler contos é o fato de já ter lido alguns que são rasos e não conseguiram passar profundidade. Aqui isso definitivamente não acontece. Cada um dos contos nos mostra um enredo redondinho e completo, em nenhum deles fiquei sentindo que faltou algo, ou com aquela pergunta de "O que acontece depois disso? ou, O que levou isso a acontecer?". Mesmo com poucas páginas eles são completos e envolventes.







Algo que não pude deixar de notar foi que muitos fatos narrados me lembraram á enredos que já assisti em filme, ou que li em livros. E faz sentido já que se inspiraram no mestre, de forma direta ou indireta. Enredos como Navio fantasma, A casa amaldiçoada, e até mesmo Sherlock Holmes me vieram na mente enquanto fazia a leitura.

Para não deixar de falar dos contos em sí, selecionei três no qual considerei os melhores e vou falar um pouquinho para que quem sabe, aguçar um pouquinho a vontade de vocês.







Logo de cara o livro começa com "O gato preto". Aqui vemos um homem que tinha um gato preto chamado Plutão no qual em uma noite, apôs um acesso inexplicável de raiva ocasionado pela bebia, arranca um olho do animal. O tempo passa e o gato se cura, mas ao mesmo tempo a raiva do homem crescia conforme percebia que o animal não o amava mais. Irado e cansado da indiferença do animal, o homem o enforca num árvore. O tempo passa e a culpa pelo que fez o corroê, até que um dia vai numa taberna e encontra um gato parecido com o falecido Plutão. Tentando se redimir, o homem o leva para casa. Sua esposa logo se afeiçoa ao gato, e numa noite prevendo que o marido faria algo terrível, se coloca em frete sua fúria, levando uma machada na cabeça no lugar do gato que some misteriosamente... Vou parar por aqui pois os acontecimentos finais me surpreenderam ao ponto de ficar ansiosa e angustiada pelo desenrolar.







O segundo conto no qual falarei é "O caso do Valdemar". Esse me deixou intrigada e a partir dele percebi que o autor coloca em suas histórias alguns fatores reais que assolavam sua época, como por exemplo ser enterrado vivo, ou como nesse conto em questão, a hipnose como medicina.  Aqui acompanhamos os dias finais do Sr. Valdemar no qual possuí uma doença incurável e encontra-se totalmente desenganado pelos médicos. Vemos a história se desenrolar pelo ponto de vista de um hipnotizador que conta que possuí amizade com o Sr. Valdemar, e ele querendo morrer em paz, pede para que seja hipnotizado. Os médicos aceitam por ser o último desejo do paciente, no entanto, apôs o hipnotismo o Sr. Valdemar não morre como deveria, ele entra num estado de semi vida onde sua alma continua no corpo, mas o corpo apodrece lentamente. Ele fica assim por dias afim, até que os presentes no caso ficam aterrorizados com as descobertas do caso.







E por último, o conto que trás o título do livro. "Os crimes da Rua Morgue". Devo dizer que esse conto é o mais longo, e por conta disso, também foi o que mais me agradou. Vemos a primeira fórmula que se repete em diversos livros policiais de um investigador peculiar e seu fiel companheiro auxiliar. Inevitável não lembrar de Sherlock e Watson, até mesmo em suas personalidades e peculiaridades quanto a forma de desvendar os mistérios lembram muito. Esse conto é narrado pelo ponto de vista de seu parceiro e nele acompanhamos como ele conheceu Dupin, um homem extremamente perceptível, analista e arrogante. Os dois resolvem dividir um apartamento (muito comum homens da alta sociedade fazerem isso no passado) e num certo dia eles vêem no jornal o brutal assassinato que aconteceu na Rua Morgue. Cada testemunha do caso conta uma coisa, e a policia não faz ideia do que de fato aconteceu. Vendo a impotência da policia, Dupin resolve investigar por fora com a ajuda de seu amigo. Em pouco tempo olhando por outra ótica, ele resolve o mistério achando o verdadeiro culpado. Não falarei mais do que isso pois estragaria todo o mistério. Também fiquei surpresa nesse conto e compreendi porque ele foi o pai da literatura policial. Poe é um gênio.







A edição física do livro foi um dos grandes pontos positivos nessa obra pois condiz totalmente com o seu interior. As folhas são brancas acinzentada de uma gramatura elevada. Cada começo de capítulo as folhas são pretas com o titulo da mesma fonte que trás na capa, fora que há uma ilustração onde remete alguma parte do corpo humano. Um trabalho quase artístico que merece muitos elogios a Editora Rocco, digno do mestre Poe.

Não imaginei que a resenha ficaria imensa dessa forma, mas acredito de verdade que esse livro deveria ser lido por todos que amem o gênero e são fãs do Poe. Recomendo fortemente o livro, principalmente para aqueles que nunca leram nada do autor. Não irão se arrepender.










Stefani Almeida
Arquiteta e Urbanista
Apaixonada por livros, filmes, series
fotos e Funko Pop
7 Comentários | BLOGGER
Comentários | FACEBOOK

7 comentários:

  1. Amo Poe, tenho dois grandes livros dele, que são meus amores. Esse pra mim é mais do mesmo, mas sabe aquele mesmo que você precisa ter, por conta da tradutora, por conta da ilustração e porque é Poe, mesmo que seja os mesmos contos. Amo.
    Adorei as fotos, ficaram lindas.

    Beijos.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Olá
    Estou com esse livro para ler agora em uma maratona literária, só vejo resenhas boas sobre ele. espero que esse livro me surpreenda. Adorei seu blog é lindo e as imagens são perfeitas..
    Beijos
    https://florescendolivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Só agora percebi que o blog mudou de nome, mas segue com a carinha da equipe, adorei! Um colaborar resenhou esse livro e adorou, eu achei fantástica essa folha preta em cada início de conto, esses detalhes são um diferencial. Dele eu só conheço Gato preto e foi uma experiência bastante agradável, gostei de saber mais sobre outros contos.

    ResponderExcluir
  4. Oi, tudo bem?

    Não conhecia este livro ainda, mas me interessei muito por ele. Os contos me pareceram serem muito bons e junto com suas fotos, me fizeram querer ler muito o livro. Vou pesquisar onde posso comprar, e tentar ler assim que tive a chance.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Oiee. Legal Essa edição, realmente surpreendeu e não deixou a desejar. Não curto muito contos mas que bom que gostou. Boas leituras

    ResponderExcluir
  6. Oi, tudo bem?
    Eu adoro Poe, estou com Histórias Extraordinárias aqui para ler e estou louca para começar.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  7. Ainda não tive oportunidade de ler algo do autor e olha que estou sempre buscando um momento para me entreter com a genialidade dele. Realmente a edição está linda! A editora está de parabéns mesmo!

    ResponderExcluir

 
© Galáxia de Ideias, VERSION: 01 - BLUE UNIVERSE - janeiro/2018. Todos os direitos reservados.
Criado por: Maidy Lacerda. Widget inspirado/base do menu por MadlyLuv
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo