RESENHA DE A MULHER NA JANELA – POR A.J. FINN
RESENHA DE CONTAGEM REGRESSIVA – POR KEN FOLLETT
RESENHA DE UM SEDUTOR SEM CORAÇÃO – POR LISA KLEYPAS

[Baú Musical] A Trinca do Tango I: Ignacio Corsini

13 fevereiro 2018


"Os pássaros me mostraram a espontaneidade de suas canções, sem testemunhas, na grande paisagem da natureza. Aprendi a cantar como eles, naturalmente e sem esforço".


Para quem, como eu, não é muito afeito a carnaval, vamos dar aquela viajada para a Argentina e voltar pelo menos algumas décadas no tempo...

Como o cantor mais famoso da Argentina, Carlos Gardel (assunto para outra postagem com aquela pitadinha de polêmica), Andrés Ignacio Corsini, ou apenas Ignacio Corsini, como passou para a história da música argentina, não nasceu em solo argentino. Mais precisamente, ele era italiano da região da Sicília, tendo nascido na cidade de Troina (Enna) no dia 13 de fevereiro de 1891, no que veio para o país com cinco anos de idade, tendo vivido dois anos no bairro bonaerense de Almagro. Filho de mãe solteira, dona Socorro Salomone, apesar de ter sido registrado com o nome do pai que jamais conheceu, assim como El Francesito (esse é apenas um de muitos apelidos recebidos em vida) Gardel, que por sua vez só tinha o sobrenome de dona Bertha Gardés.

Ao contrário de outros cantores, morenos ou “morochos”, Corsini, por conta de suas origens norte-itálicas, tinha cabelos loiros e olhos azuis, uma combinação que na época podia ser considerada extremamente incomum entre um povo que prezava pela mestiçagem ou pelo menos pelos cabelos escuros. Tal qual La pulpera de Santa Lucía, personagem título de sua canção mais relembrada. (Apesar de que infelizmente há um profundo racismo na Argentina, inclusive com os negros há anos sofrendo com a exclusão até mesmo do censo demográfico. Não sei se isso permanece, mas fica o registro da pouca vergonha.)

Como recorrente na história de muitos famosos, especialmente de tempos mais antigos, Ignacio Corsini muito cedo conheceu o labor e é muito provável que, assim como tantos daquela época, não tenha estudado muito. Mudando-se com a mãe aos sete anos para a cidade bonaerense (Província de Buenos Aires) de Carlos Tejedor, o pequeno Ignacio trabalhou de condutor de bois e resero. (Não achei o significado dessa palavra, mas acredito que seja uma profissão já extinta e portanto, uma palavra de nenhum uso atualmente.)

Nesse período, os passarinhos cantores se tornaram seus professores de canto e aí o jovem Ignacio descobriu sua vocação: cantar. Inclusive sua referência, algum tempo depois dos ensinamentos da natureza e dos pássaros, foi o payador José Betinotti, que conheceu em 1908, ao voltar à Buenos Aires para viver no mesmo bairro que até então ele vivia. Porém, Ignacio não se contentou em apenas ser um imitador de seu senpai (#menotasenpai), buscou seu próprio estilo, ainda que inspirado no estilo dele, acabando por criar um inconfundível estilo de cantar com uma entonação anasalada, herdada de sua origem italiana.

Mas até que chegasse à consagração musical com o apelido de El Caballero Cantor, Corsini precisou percorrer um longo caminho. Que começou no teatro, inclusive com Ignacio tendo por anos se dividido entre atuar e cantar embora o último fosse sua verdadeira vocação. Em 1907, já com dezesseis anos, o rapaz contraiu amizade com José Pacheco, que o introduziu ao mundo da atuação teatral. Quatro anos depois, o mesmo señor Pacheco tornou-se seu sogro, quando Ignacio Corsini casou-se com sua primeira e única namorada e esposa, a atriz Victoria Pacheco, com quem teve seu único filho, Ignacio Corsini Hijo. Que embora tenha gravado com o pai, não seguiu a vocação do mesmo, tendo se tornado médico. Além de lhe dar dois netos, Eduardo e Victoria.

Em 1912, já conhecido como ator e cantor, realizou suas primeiras gravações e por mais de quinze anos se viu entre a canção e a atuação sem perder as esperanças de consagrar-se como somente cantor. Que inicialmente dedicava-se à música campeira crioula, uma recorrente nas vozes de muita gente consagrada daquele período. O disco, porém, só chegou à sua vida no ano de 1920 embora o já jovem adulto Ignacio ainda não se dispusesse totalmente ao tango por não se achar preparado apesar de ter gravado o clássico Un lamento, de Graciano De Leone e Pedro Numa Córdoba. Mas, em 1922, a consagração definitiva no gênero portenho por excelência veio com Patotero Sentimental, de Manuel Jovés e Manuel Romero que o tornou um legítimo queridinho do público.

Em sua voz também é conhecida a interpretação de um dos mais famosos tangos conhecidos em escala mundial, Caminito (que é simplesmente a coisa mais perfeita do mundo em Buenos Aires), de 1927, de de Juan de Dios Filiberto y Gabino Coria Peñaloza. Desde então, Corsini gravou muitos temas e chegou a compor alguns, mas acabou sempre sendo conhecido mais como um excelente intérprete do que propriamente um compositor. Apesar de o tango ter sido uma recorrente na voz de Ignacio Corsini, ele jamais abandonou suas origens criollas camperas.

No entanto, nem só de flores viveu Corsini.

O passar dos anos viu o señor Ignacio ficar mais velho e consequentemente ir aos poucos perdendo seu lugar para cantores mais novos embora ainda gozasse de grande sucesso. Porém, de que adiantam as flores do público quando se perde a mais bela de seu próprio jardim? Foi o que Corsini perguntou-se ao se ver, em 1948, viúvo de sua amada e venerada Victoria Pacheco após 37 anos de casados.

“Desejo fazer conhecido que grande parte do meu triunfo devo à minha inesquecível esposa, a companheira de uma vida toda; ela me consolou nas horas incertas, e para ela guardo o carinho mais profundo de toda uma vida...”

Em 1949, já com 58 anos, entristecido pela perda da mulher querida e achando que o público já o esquecia, El Caballero Cantor apresentou-se pela última vez na audição Argentnidad da Rádio Belgrano em 28 de maio. Desde então, nunca mais gravou ou se apresentou embora os comentários digam que ele jamais perdeu sua bela voz. O que ficou comprovado em 1959, quando, já com 68 anos, Ignacio Corsini apresentou-se ao público pela última vez no programa Volver a Vivir, cantando os primeiros versos de La Pulpera de Santa Lucía.

Oito anos depois, em 26 de julho de 1967, aos 76 anos, Ignacio Corsini, de astro da música portenha, passou a ser uma brilhante estrela no céu, onde vai brilhar para sempre na doce companhia de sua eterna amada Victoria e nos corações e ouvidos daqueles que apreciam uma boa música.





Caso queiram mais detalhes de tudo o que eu coloquei aqui...

 Blogger  Facebooks  









Renata Cezimbra
Professora desempregada, leitora voraz,
escritora doida e vampiróloga amadora.
24 Comentários | BLOGGER
Comentários | FACEBOOK

24 comentários:

  1. Olá!

    Até então nunca tinha ouvido falar sobre este artista e foi bem interessante conhecer sua vida e história por meio do blog. Pelo visto fez uma pesquisa bem minuciosa sobre ele para passar pra gente, parabéns.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Oi Rê!

    Eu estou muito na vibe de músicas antigas no momento, ontem mesmo estava escutando Sinatra (porque peloamordeDeusohomemémaralhavilhoso!) e já conhecia algumas coisas sobre os artistas, mas nada tão afundo quanto as informações do seu post.

    Parabéns pela pesquisa feita para o post (porque um texto como esse, cheio de por menores, não nasce sem ela), ficou muito completo mesmo!

    Beijinhos
    www.paraisoliterario.com

    ResponderExcluir
  3. Embora eu goste de carnaval, adorei conhecer um pouco sobre Ignácio Corsini através desse post. A trajetória do artista e as curiosidades mostradas revelam como era diferente a carreira artística musical naquela época e na atualidade. Aguardando o post sobre Guardel.

    *☆* Atraentemente *☆*

    ResponderExcluir
  4. Olha, eu detesto o carnaval hahaha
    Para falar a verdade, eu sou muito chata com música, prefiro as músicas antigas às atuais, decepção. Mas tenho visto algumas atuais que estão salvando, felizmente. Eu não conheço muitos músicos argentinos e gostei do teu post.

    ResponderExcluir
  5. Olá Rê!

    Teve uma época que eu ouvia muita música antiga mas, nunca decorava os nomes dos cantores, somente as letras das musicas que mais me tocavam...kkk

    Gostei muito de ler o seu post, você fez uma pesquisa muito interessante e completa, não conhecia essa cantor, mas vou procurar as musicas dele para ouvir.

    Beijos e abraços Vivi
    http://vickyalmeida.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Não conhecia quase nada sobre esse gênero musical e achei muito interessante a história desse cantor. Também não gosto muito de carnaval, então...
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderExcluir
  7. Oii Renata

    Que vergonha, moro há alguns anos na Argentina e praticamente não conheço nada do Corsini...rsrs, meu avô escutava muito tango, cresci as lembranças dele ouvindo Gardel e provavelmente outros como Corsini, mas eu memso sou uma negação....rsrs. Ótima info sobre ele, sempre bom relembrar quem fez história e merece ser recordado.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  8. Oiiii,

    Eu sempre achei o tango um ritmo muito interessante, mas nunca procurei sobre o ritmo ou os maiores e principais artistas. Achei bem interessante conhecer um pouquinho mais sobre estes clássicos, e já vou procurar pra escutar e conhecer um pouco mais o trabalho deles.

    Beijinhos...
    http://www.paraisoliterario.com

    ResponderExcluir
  9. Olá, tudo bom?

    Amei esse post! Gostei bastante do formato e acredito que você deveria fazer isso com outros músicos. Eu não conhecia o Ignacio, mas já fui logo no Google procurar as suas músicas e me encantei. Eu não sou de ouvir músicas muito antigas ou até mesmo o tango, mas gostei muito, de verdade. Foi muito bom conhecer a sua tragetória, que não foi fácil, mas que no fim conquistou o êxito. É uma pena que ele tenha perdido espaço, depois de anos, para os cantores mais jovens e, depois, ainda teve que lutar com a tristeza da perda de sua amada. E, assim, o mundo também perdeu um grande cantor.

    Enfim, adorei a postagem :)
    Abraços.

    ResponderExcluir
  10. Oie, eu não conhecia essa parte do blog destinada a alguns artistas que não fazem parte do escopo literário, confesso que já amei, é através de posts assim que encontramos pequenos tesouros, como foi o caso, adorei o post, muito detalhado e cheio de informações importantes.

    ResponderExcluir
  11. Oie!

    Não conhecia esse artista aqui citado, mas irei procurar saber um pouco mais sobre esse músico que pelo post tem uma carga de vida muito interessante, aguardarei pelos próximos post parecidos com esse, gostei bastante e espero descobrir mais alguns trunfos da vida como esse do post!

    Bjss, vem participar do sorteio no Instagram, valendo um monte de marcadores de páginas! https://www.instagram.com/p/BfjKzWxhfny/?taken-by=resenhasteen

    ResponderExcluir
  12. Olá, tudo bem?
    Gostei da sua publicação, gosto muito de música, inclusive toco violão, música flamenca, barroca, rock e etc. Eu particularmente pouco conheço de tango, não é uma veia musical que me agrade muito, mas achei bem legal a sua publicação!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  13. Olá Renata! Não conhecia nem o cantou ou sua música, e achei muito legal esse post sobre um artista e sua obra provenientes da Argentina, mesmo ele sendo italiano de nascença.
    É uma boa dica para se conhecer mais sobre as músicas e sobre a região, e gostei de conhecer sua história.
    Bjoxx

    ResponderExcluir
  14. Adoro música e ainda mais a história por trás dela. Já ouvi os nomes citados na publicação <3 Tanho é maravilhoso <3
    Amei ver esse tipo de publicação por aqui.


    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir
  15. Olá!
    O tango é um dos grandes carros chefes da Argentina. Lembro quando morei em Buenos Aires que nas ruas tem vários artistas se apresentando ao som dos grandes nomes do país. Infelizmente não é uma música que escute e até mesmo conheça afundo pra falar, mas adorei saber mais dessa tríade que sem dúvidas tem grandes e fervorosos fãs.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  16. Olá Renata, apesar de eu não conhecer e nem ouvir muito tango, adorei descobrir a historia desse famoso cantor de tango *-* O texto ficou muito bom.

    ResponderExcluir
  17. Bom jeito de dar entretenimento para quem não curte a "festa da carne" rs
    Algo diferente! Adorei seu post!
    Gosto mito de tango, mas nunca aprendi realmente a dança e saber um pouco mais sobre o assunto é bem legal!
    Parabéns!

    Beijinhos!

    #Ana Souza
    https://literakaos.wordpress.com

    ResponderExcluir
  18. Oi Renata, tudo bem?
    Que legal este post, em lembrou muito um livro que li, de uma autora Argentina inclusive. Pode até ser que esta história tenha servido de inspiração para o romance dela que se chama Marlene de Florencia Bonelli. Conhece? Se não, precisa conhecer, ainda mais depois de escrever este texto! Adorei o post! <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi! Como está?
      Já ouvi falar desse livro! Li umas resenhas dele é de outros da autora porque ela é a favorita de uma outra blogueira conhecida minha!
      Quero ver se consigo um exemplar ou um e-book.
      Beijos!

      Excluir
  19. Oie!
    Que coluna interessante.. não conhecia o cantor e nem a sua história. Muito obrigada por me proporcionar isso através de seu post e sua pesquisa.

    beijos,
    Mayara

    ResponderExcluir
  20. Olá, gostei de conhecer a história desse cantor. Acho que não tinha ouvido nenhuma música dele até então.

    ResponderExcluir
  21. Olá Renata!!!
    Eu não me lembro de conhecer esse cantor e não me lembro se já ouvi uma de suas músicas o que me deixa pensar nossa como faz tempo que não ouço tanta música!
    Gostei da coluna e de você apresentar um cantor que nem ao menos conhecia ^^

    lereliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir
  22. Oii Renata, tudo bem? Que texto maravilhoso! Você escreve muito bem. Não conhecia o artista e adorei conhecê-lo, mesmo. Achei sua história muito interessante e vou procurar ouvir! :D

    Beijos

    ResponderExcluir
  23. Oi gente, como estão?
    Vocês têm ideia de como me fazem feliz com tanta boa recepção?! Eu fico até vermelha de tanta vergonha porque nunca sei como agradecer a cada uma sem cair naquele mesmo bendito clichê! Por isso faço um único comentário ressaltando o quanto sou grata por vocês sempre estarem lendo minhas postagens!
    Abraços e beijos da Lady Trotsky...
    http://galaxiadeideias.com
    http://osvampirosportenhos.blogspot.com

    ResponderExcluir

 
© Galáxia de Ideias, VERSION: 01 - BLUE UNIVERSE - janeiro/2018. Todos os direitos reservados.
Criado por: Maidy Lacerda. Widget inspirado/base do menu por MadlyLuv
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo