RESENHA DE A MULHER NA JANELA – POR A.J. FINN
RESENHA DE CONTAGEM REGRESSIVA – POR KEN FOLLETT
RESENHA DE UM SEDUTOR SEM CORAÇÃO – POR LISA KLEYPAS

[Resenha] Dilacerada - Por Helô Delgado

01 fevereiro 2018

Título: Dilacerada
Autor (a): Helô Delgado
Páginas: 254
Editora: Coerência
Skoob || Goodreads
Em breve pré-venda

Sinopse: O que você faria se alguém do seu passado voltasse para a sua vida e você tivesse que enfrentar seus traumas?
Uma família peculiar. Uma mãe rigorosa. Um romance.
Aos 27 anos, Vivian é uma adulta marcada por seu passado e leva uma vida reservada. Não confia em quase ninguém e acredita ser incapaz de amar. Quando menos espera, depara-se com uma situação delicada, a qual evita por vários anos: a necessidade de buscar ajuda profissional para falar sobre seu passado, seus sentimentos e enfrentar seus conflitos mais profundos.



 "— Chegando, chegando… ela está chegando…
Enquanto eu limpava, Val cantarolava a mesma frase no ritmo de uma música infantil que marcou parte dos meus primeiros anos de vida. A melodia é a única lembrança que tenho do meu pai. Antes de enfartar, ele costumava cantar para mim, quando passeávamos na beira do riacho que banha o fundo do quintal de várias casas do meu bairro, inclusive a minha. Val não o conheceu, já que mamãe nem sabia que estava grávida, quando ele se foi.
Eu estava preocupada com a qualidade da limpeza. A falta de materiais apropriados dificultava a realização dos meus afazeres diários, entretanto, eu era incapaz de pedir produtos novos. A coragem escapulia sempre que precisava pedir alguma coisa. Eu nunca sabia como ela iria reagir. Na melhor das hipóteses, concordaria. Na pior… esforcei-me para não fechar os olhos ao pensar nas possibilidades. Eu carregava marcas na pele que eram consequências de pedidos malsucedidos.

Aos quinze anos de idade, Vivian jamais poderia definir a sua vida como normal, uma vez que passava a maior parte de seus dias trancada em casa, com janelas blindadas, e tendo por companhia dona Célia, a vizinha da frente, sua irmã, Val, uma menina com síndrome de down, e sua mãe, quando esta estava fora do trabalho. O motivo de tantas restrições era Carina, a mãe de Vivi e Val, que era uma mulher obcecada por limpeza, facilmente irritável, e completamente rígida. As únicas diversões permitidas a Vivian eram as voltas de meia hora que ela podia dar diariamente pelo quintal de casa, ou pelo bairro, caso sua mãe estivesse de bom humor naquele dia, e sua educação era feita em casa, por dona Célia. No entanto, certa tarde durante sua saída diária, Vivian encontra atrás da casa um garoto aproximadamente da sua idade. Ao investigar mais a fundo, descobre que este se chama Lucas, e percebe que ele é dono de um sorriso lindo e de um jeito malandro e encantador. À medida que os dias passam, Vivian vai se apaixonando pelo estranho, e com escapadas fortuitas, ela passa a correr riscos, tudo para manter as conversas com o garoto, que passaram a ser a sua tábua de salvação.

“— Certo… e esse menino que surgiu, você o viu outra vez?
— Ele é uma das minhas decepções.
— É a segunda vez que você fala sobre decepções.
Não foi uma pergunta.
— É. — Suspiro.
— Não consegue se desvincular delas?
— Consigo. Quer dizer, conseguia… não sei — respondo gaguejando.
— Conseguia? Aconteceu alguma coisa que as colocou em evidência?
— Sim."

No entanto, o segredo não dura muito tempo, e logo Karina descobre e tem um surto intenso, o que a leva a tomar uma atitude drástica. Tal atitude faz com que a vida que Vivi levava se modifique completamente, e logo ela se vê em um orfanato, completamente sozinha. Os anos passam e Vivian jamais esqueceu o passado, e muito menos o belo garoto que ela aprendera a amar. No entanto, ao descobrir que ele também era uma farsa, ela resolve deixar todo o passado para trás, embora este não a deixe.

"Aos poucos, identifiquei várias expressões distintas em seu rosto. Confusão, desemparo, desespero, raiva… mágoa. Impressionante como uma pequena palavra pode fazer tanta diferença no decorrer da nossa vida. Como um pequeno advérbio usado em um contexto complicado pode inverter a situação e esmagar esperanças."

Quando já é uma adulta, Vivi é uma mulher completamente dedicada ao seu trabalho e aos poucos amigos que fez no orfanato, e ao ser chamada para um trabalho em uma ilha remota, ela imediatamente aceita,  crente que poderá escapar por algum tempo de tudo. Entretanto, o que Vivian não imaginava era que o local lhe traria Caíque, alguém que lhe desperta as sensações mais intensas, e que também a faz reviver fatos que gostaria de esquecer, e esclarecer coisas que já estavam enterradas.

"— Você quer o quê? — Seus olhos fulminavam os meus, repletos de ansiedade, e eu odiava vê-lo assim. — Quer uma declaração de amor? Quer que eu diga que te amo? — gritou, proferindo as palavras de modo irônico, abrindo os braços. — Porque eu te amo, V! Caso você ainda não tenha percebido pelos meus atos, eu repito, em alto e bom som: eu te amo!"

Bem escrito, surpreendente e tocante, Dilacerada é um livro ágil de se ler e traz temas relevantes, bem como uma história que nos marca e nos faz refletir profundamente a respeito dos temas abordados.

"— Mesmo quando pessoas muito próximas nos machucam, não conseguimos extinguir os sentimentos que temos por elas."






Delicado, impactante, intrigante e  dramático na medida certa são as expressões que melhor servem para definir Dilacerada, na minha opinião, e,  na verdade, esse é um livro bastante especial, que traz uma história que tem o poder de mexer conosco em diversos momentos e com os nossos diversos sentidos, e nos sensibiliza à medida que traz temáticas fortes, daquelas que encontramos no nosso próprio dia a dia e até mesmo temáticas com as quais lidamos em nossas vidas em alguns momentos.

Na realidade, tenho uma longa história com Dilacerada pois eu o vi nascer. Como assim? A autora, Helô Delgado, questionou a mim e mais um grupo de meninas se gostaríamos de ler a história que ela iria escrever, e esta seria a sua primeira, e a autora, convicta, nos disse que o escreveria em um mês. Eu, curiosa que sou e também admirada com tanta determinação e persistência, imediatamente aceitei, e fui acompanhando, surpresa, diariamente os novos capítulos que nasciam. Mas, como disse, esse é somente o começo, pois na época, nasceu o livro Meu passado roubado, que ficou bacana, mas a autora percebeu que poderia melhorá-lo, e então reescreveu novamente o que viria a ser o Dilacerada, um  livro que me surpreendeu em todos os sentidos.






Um dos maiores diferenciais dessa história, é o fato de ela ser narrada, na maior parte, em uma sala de terapia. O que isso significa? No início dos capítulos, temos uma conversa de Vivian com a psicóloga, o que se dá em poucos parágrafos, em seguida, algum questionamento da psicóloga a leva de volta ao passado, e é dessa forma que ficamos sabendo da história, enquanto Vivian narra suas lembranças e à medida que ela evolui enquanto pessoa e vai superando seus traumas do passado. Essa narrativa se tornou algo muito interessante e também bem diferente, e a encontrei em poucos livros. Além disso, outra coisa que me chamou muita atenção foi a maturidade de cada personagem, pois apesar de começarmos a acompanhar Vivian quando ela tem somente quinze anos, essa se mostra uma garota madura para a sua idade, bem como Lucas, um garoto com jeito despojado mas que no seu interior tem ações e pensamentos de alguém que precisou amadurecer muito cedo.

Outro dos destaques fica por conta das temáticas abordadas, e vamos desde a síndrome de down, que foi abordada com uma delicadeza ímpar e despida de preconceitos, até alienação parental e traição, bem como o apego que temos ao passado que muitas vezes nos impede de seguir em frente, mas, embora todos esses sejam temas aparentemente pesados, eles foram abordados com leveza na trama, podendo agradar desde os mais dramáticos até os que fogem do gênero, embora haja uma cena, quando a vida da Vivi adolescente muda,  que pode levar os mais sensíveis às lágrimas.






E romance? É claro que temos aqui também, e esse foi construído de uma forma bela, e de um jeito que nos deixa com um belo sorriso no rosto ao terminar, imaginando que não havia modo de tudo ficar mais perfeito, no entanto, o romance não é o que permeia o livro inteiro, e temos um grande foco também em relações familiares, de amizade e em crescimento pessoal.

Quanto a pontos negativos sinceramente não consigo encontrar nenhum, e isso não se dá por questões de eu ter acompanhado o crescimento do livro, pelo contrário, como o reli várias vezes em suas diversas versões poderia encontrar pontas soltas de maneira mais fácil, mas isso não ocorreu, mas, posso dizer que talvez os leitores que não gostam das temáticas já mencionadas podem não se adaptar tão bem com o enredo, bem como aqueles que não se identificam com tramas que trazem personagens mais jovens.






Os personagens são especiais cada um de uma forma, mas, a minha favorita foi, sem sombra de dúvida Val, a irmã de Vivi. Val é uma menina linda por dentro e por fora, que consegue nos tocar fundo com sua ingenuidade, determinação e inocência. Val merece o troféu de melhor personagem com deficiência da literatura, pois foi composta com perfeição, pois ao mesmo tempo que a autora abordou todos os pontos de alguém com Down, não o fez de maneira com que sentíssemos que Val merecia algum sentimento de dó ou coitadismo, e sim nos fez admirá-la. Além disso, Vivi, a protagonista, é uma menina que em alguns momentos tem atitudes impensadas, mas que na maioria das vezes foi admirável com toda a sua força e coragem enquanto passou por tantas dificuldades mesmo com tão pouca idade. Lucas é um menino cativante, e nos encantamos por ele junto com Vivi. E caíque é também encantador, e é alguém que demonstra uma força e coragem tão forte quanto a da protagonista. Ainda, cabe destaque para os personagens de Jonathan e Camila, os melhores amigos que alguém poderia querer, pois apoiam Vivi para o que der e vier, e estão segurando sua mão em cada uma de suas decisões. Ah... não posso me esquecer do troféu de personagem louca da literatura, que, certamente, vai para Karina, a mãe de Vivi. Sim, essa personagem é completamente insana, e embora tenhamos o esclarecimento de algumas de suas atitudes durante a trama, confesso que não consegui perdoá-la por inteiro.

O livro é narrado em primeira pessoa por Vivian, na modalidade que mencionei antes, no consultório da psicóloga. A divisão dos capítulos é por semana de terapia, e temos a protagonista  em um total de trinta e uma semanas, mais um "Depois do felizes para sempre", que é a espécie de epílogo, e o começo de tudo, que é o prólogo. Cabe destacar que li o ebook do livro, que ainda não está à venda, e em breve teremos a pré-venda do livro físico, que será lançado pela Editora Coerência.






Um fato instigante que a Helô Delgado nos relata em uma nota de esclarecimento presente no livro é que ela tem formação em psicologia, e inclusive atuou com psicologia clínica por cinco anos, embora deixe claro que a história de Vivian é totalmente fictícia, e não traz qualquer relação com os casos que ela atendeu, embora eu acredite que a experiência lhe proporcionou uma capacidade ímpar de compor a evolução da terapia com a personagem.

Dilacerada é, certamente, uma história que merece ser divulgada e conhecida, pois é de uma autora nacional que possui uma carreira muito promissora, e que compôs uma história diferente e única, que irá agradar todos os leitores que abrirem o coração para conhecê-la e com toda certeza todos irão se surpreender ao final dela, assim como me surpreendi.








Tamara Padilha
Leitora compulsiva com foco em quase todos os gêneros
(exceto os romances de época e ficção científica).
Apaixonada por escrita, e em breve bacharel em direito.
22 Comentários | BLOGGER
Comentários | FACEBOOK

22 comentários:

  1. Tamara do céu!
    Você não tem ideia de como eu estava ansiosa para ler sua resenha. Você pegou o começo do livro um pouco antes de mim e, como disse, Meu passado roubado já era um livro bacana, mas não chegou nem perto do que Dilacerada foi. Acho que o mais sensacional dessa trajetória, foi ver que a Helô cresceu, apareceu e mostrou que veio para ficar. Estou louca para ter a versão física e reler esse livro em um looping infinito.
    Como sempre, sua resenha está impecável e sou obrigada a dizer que as fotos também estão maravilhosas.
    Impossível terminar de ler sua resenha e dizer: eu não gostaria de ler esse livro. Acho que ninguém utilizará essa frase junto do livro "Dilacerada"
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Se eu não tivesse participado do grupo de betas e já ter lido Dilacerada, neste exato momento eu estaria me descabelando pelo lançamento do livro. Senhorita Tamara, mais uma vez você nos encanta com suas palavras e posta uma resenha marcante. Quero reforçar sua indicação e dizer que Dilacerada é mesmo um livro que merece total atenção e espaço, pois ele é lindo e especial e deve ser lido...
    Bjs!

    ResponderExcluir
  3. Mas gente!! Eu só consegui comentar nessa resenha lindíssima hoje! Tamara, você conseguiu me emocionar a cada frase e cada parágrafo que escreveu. Como eu já disse e repito, não tenho como agradecer por tanto carinho, tanta paciência e tantos momentos em que recorri a vocês e vocês estavam lá, me ouvindo, me acalmando, me dando esperança e me incentivando a continuar e escrever cada dia mais. Amei sua resenha, fico sem palavras para explicar como me sinto ao lê-la. =)

    Beijão

    ResponderExcluir
  4. Mas gente! Só consegui comentar nessa resenha hoje! Mal tenho palavras que me ajudem a descrever como me sinto ao ler uma resenha tão linda e tão caprichada como essa! Tamara, você me emocionou a cada frase e a cada parágrafo que escreveu. Fico imensamente grata por ter você como leitora beta, principalmente por saber o quanto você é crítica e sincera em suas colocações! Amei a resenha! Espero ter mais criatividade para criar mais histórias como essa, que possam envolver o leitor!
    Beijos!!! =)

    ResponderExcluir
  5. Oi Tamara!
    O livro da Helô tem me ensinado a lidar com pessoas com Down e outros tipos de espectros. Vivian é uma personagem forte e corajosa por lidar com vários dilemas. É um livro que merece espaço no mercado editorial pela relevância da sua temática e principalmente pela criatividade com que a Helô tem por criar vários dilemas!

    ResponderExcluir
  6. Oi, Tamara. Eu tenho visto muitas resenhas desse livro e acho bacana que as opiniões são sempre positivas sobre ele. Gostei de ver a sua impressão com a leitura, parece ser um livro envolvente.

    ResponderExcluir
  7. Um livro forte pelo que apresentou, com personagens maduros e ótimas temáticas abordadas. Tinha visto o livro nas redes sociais e achei a capa e o título bem curiosos, mas só agora sei do que realmente se trata, então é dica anotada.

    Abraços.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Olá, tudo bom?

    Uma das coisas que mais me surpreendeu na resenha foi saber que a autora é formada em Psicologia. Apesar de não usar casos reais para criar a história, deve ter sido importante para desenvolver a parte da terapia mesmo. E eu achei genial de uma parte da narrativa se passar em uma sala assim, pois confesso que nunca li uma obra que fizesse isso e fiquei curiosa sobre como a autora desenvolveu o passado da protagonista usando esse recurso.
    Além disso, com bons personagens, uma trama envolvente e a representatividade, só aumentam a minha vontade de ler e demonstram o talento da Helô. Quero esse lançamento logo! <3

    Enfim, adorei a postagem e agradeço a indicação :)
    Abraços.

    ResponderExcluir
  9. Oi tamara, tudo bem? Não conhecia o livro, mas gostei muito da sua resenha, confesso que antes dela não daria muito sobre a obra. Muito brigada por esclarecer os fatos

    ResponderExcluir
  10. Achei a ideia de se contar a história de dentro de uma sala de terapia bem interessante. O livro parece ser único mesmo, eu acho que deve ser uma ótima leitura.
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderExcluir
  11. Olá Tamara! Que história sensível e agradável! Gostei muito da forma que você escreveu a resenha, nos deixou um pouco encantados com o enredo e os personagens. Gostei de verdade. Achei um livro profundo, porém criado de uma maneira que nos deixa confortáveis pra ler. Confesso que o que mais me chamou a atenção foi o começo da vida de Vivi, o rapaz misterioso que aparece e a mãe louca que a manda pra longe, pois é deste ponto que a história dela realmente começa. Adoraria ler!
    Bjoxx

    ResponderExcluir
  12. Olá!
    Ahh que trama mais linda! Claro que vou querer ler essa obra, parece de uma sensibilidade enorme. Um enredo bem desenvolvido e com pontos que amo nas leituras, sem contar que deve deixar a gente repleto de reflexões.
    Adorei a dica.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  13. A história parece ser realmente muito boa. Eu ando fugindo um pouco de dramas, mas não descarto a possibilidade de ler. Um livro que li nesse padrão de sessão de terapia foi Identidade Roubada e gostei bastante do livro, foi esse ponto q chamou minha atenção.
    Desejo sucesso com o lançamento da obra.

    Raíssa Nantes

    ResponderExcluir
  14. Olá, lindas as fotos que colocou na resenha. A colaboradora do meu blog vai ler esse livro. Achei super interessante as temáticas abordadas na obra e já fiquei bem curiosa para conhecer a história da Vivian.

    petalasdeliberdade.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  15. Oi Tamara!

    Tudo bem? Já li algumas resenhas desse livro pela blogosfera afora, mas honestamente? Eu não consigo me interessar pela história, acho que não ando muito no clima para dramas neste momento, sabe?

    Que bom que você gostou tanto da história e realmente é interessante essa questão de trazer a psicologia para desenvolver a personagem. Isso (o desenvolvimento da personagem...) faz toda a diferença pra mim numa obra.

    Beijinhos
    http://www.paraisoliterario.com/2018/02/resenha-court-of-thorns-and-rores-1.html

    ResponderExcluir
  16. Oi querida
    Eu estou muito curiosa para ler este livro.
    Gostei muito da sua resenha. O fato dos capítulos começarem nas sessões de terapia, me deixou ainda mais com vontade de ler!
    Adorei seu post
    Bjs

    ResponderExcluir
  17. Oie!
    Ai que delicia!
    Que oportunidade única, acompanhar o nascimento de um livro. Imagino o que se sentiu com o convite e a oportunidade.
    Um livro muito interessante, sua resenha me deixou muito curiosa para conferir. Com certeza vou ler esse livro.
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  18. Oie!
    Sua resenha me deixou bem curiosa para ler esse livro.
    Não conhecia a autora ainda, mas gostei da premissa do livro e do fato dos capítulos começarem nas sessões de terapia. Achei a mãe da protagonista meio maluca e bem diferente.
    Adorei sua resenha e fiqeui com muita vontade de ler esse livro!

    Beijos!
    http://www.manuscritoliterario.com.br

    ResponderExcluir
  19. Oi. Li duas resenhas desse livro e me decidi que preciso me aprofundar na obra, o tema é relevante e convincente, porém, achei a capa muito feia e que não favorece a obra, me lembrar aquelas revistas que são entregues pelas igrejas.

    ResponderExcluir
  20. Oi, Tâmara! Adorei conhecer a história da Vivian! E achei muito bacana você conhecer a obra desde que ela surgiu, dá pra sentir realmente que, de certa forma, você criou um laço com ela. Vou procurar pelo livro assim que for lançado, me pareceu uma história extremamente cativante!
    Bjos
    Lucy - Por essas páginas

    ResponderExcluir
  21. Olá,
    É a primeira resenha da obra que leio e fiquei encantada com ela já no início por causa da capa que achei demasiado impactante.
    Com certeza essa experiência da autora em psicologia clínica deve ter feito toda a diferença no modo que ela optou por contar a história de Vivian.
    O que gostei também é que você pôde acompanhar o nascimento da obra!

    LEITURA DESCONTROLADA

    ResponderExcluir
  22. Oiee Tamara ^^
    Antes de mais nada, as fotos (que aparecem ali embaixo) do instagram são LINDAS!
    Eu ainda não conhecia esse livro, mas como ando mesmo em busca de livros com uma certa carga dramática e personagens cujo amadurecimento a gente consegue acompanhar ao longo da história, fiquei imediatamente curiosa para ler. Adorei a sua resenha!
    MilkMilks ♥

    ResponderExcluir

 
© Galáxia de Ideias, VERSION: 01 - BLUE UNIVERSE - janeiro/2018. Todos os direitos reservados.
Criado por: Maidy Lacerda. Widget inspirado/base do menu por MadlyLuv
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo