RESENHA DE A MULHER NA JANELA – POR A.J. FINN
RESENHA DE CONTAGEM REGRESSIVA – POR KEN FOLLETT
RESENHA DE UM SEDUTOR SEM CORAÇÃO – POR LISA KLEYPAS

[Baú Musical] As Mulheres do Tango: Libertad Lamarque (1908 - 2000)

13 março 2018



Quem, como eu, que nasceu na metade ou no finalzinho dos anos oitenta ou até mesmo no começo dos noventa, se lembra de duas, das muitas, novelas mexicanas que passaram, e ainda passam, no SBT?

A Usurpadora, de 1998 e Carinha de Anjo, de 2000, nada tinham em comum, exceto uma coisa: a presença dessa senhora nas fotos acima, que infelizmente faleceu durante as gravações de CDA, sendo substituída pela também veterana Silvia Piñal no papel da Madre Superiora na escola onde a encantadora protagonista Dulce María (hoje interpretada por Lorena Queiroz no remake brasileiro exibido pelo mesmo SBT) estudava.

Mas, a verdade é que os brasileiros que acompanharam as nada menos que sete reprises de AU não sabem que Libertad Lamarque, a intérprete da notória vovó alcoólatra que parava de beber graças à doce Paulina e que no passar da história se tornou extremamente importante para reestruturar a família Bracho, foi muito além de Doña Piedad Bracho, ou simplesmente Vovó Piedade.






Na época em que faleceu, falecimento esse muito sentido pela legião de fãs de AU, Libertad Lamarque já contava com nada menos que 85 anos de carreira na atuação e na música, sendo 76 deles em âmbito profissional, e carregava consigo o êxito de toda uma vida dedicada às artes, sendo conhecida como A Noiva da América em razão do estrondoso sucesso obtido em todo o continente, em especial pela sua capacidade rápida de adaptar-se aos costumes e falas locais, especialmente na Argentina e no México.

Querem mais detalhes? Então voltemos 110 anos no tempo e no decorrer do texto avancemos 92...

Para a cidade de Rosario, província de Santa Fé, Argentina.

Onde Libertad Lamarque Bouza nasceu em 24 de novembro de 1908, filha de um uruguaio filho de franceses (de onde veio o sobrenome com qual a atriz e cantora passou à história cultural da América) e de uma viúva espanhola com seis filhos, Josefa "Pepa" Bouza. Nessa mesma cidade, aos sete anos, começou a atuar junto aos familiares em obras teatrais de cunho anárquico, corrente política da qual seu pai, Gaudencio, era adepto e segundo comentários posteriores, teria sido esse o motivo do nome da menina, Libertad.

Aos doze anos, os pais, em especial a mãe, vendo o talento crescente da filha, incentivaram-na e apoiaram-na de todos os modos, realizando espetáculos por boa parte da região, no que a então menina Libertad começou a se tornar conhecida do público. Inclusive ela ganhou vários prêmios em razão das elaboradas fantasias que usava nos bailes de carnaval, porém, o que realmente se destacava era seu talento para a canção e a atuação.






De tal forma era assim que, em 1926, a família Lamarque Bouza mudou-se para Buenos Aires em uma tentativa de fazer a agora jovem Libertad ganhar o mundo e com ele, o êxito. Apesar de que a jovenzinha já era conhecida do público como atriz, mas, foi em nesse mesmo ano que aconteceram duas coisas que para sempre mudariam sua vida, para o bem e para o mal: o matrimônio e a estreia como cantora, mas ela seria conhecida como uma das grandes do tango a partir dos anos trinta, quando o cinema argentino ganha voz, literalmente.

No mesmo ano em que começava uma exitosa carreira musical que atravessaria gerações, Libertad, aos dezoito anos e sem o consentimento familiar, casou-se com Emilio Romero e dessa união nasceu sua única filha, Mirtha Romero Lamarque (1928 - 2014), que lhe deu cinco netos e dez bisnetos. Porém, a união não durou sequer dez anos devido aos problemas de Emilio com o álcool, jogo, e episódios violentos que levaram a já consagrada cantora a depressão e uma tentativa de suicídio pulando de uma janela, episódio que só não acabou tragicamente graças ao toldo que amorteceu sua queda e os funcionários do hotel, que a resgataram. Na ocasião, 1935, o ex-marido, de quem a artista tentava de todo o modo se divorciar (a facilitação do processo começou nos anos sessenta), levou a então pequena Mirtha para o Montevidéu, no Uruguai, de onde Lamarque recuperou a filha com a ajuda de músicos amigos, da polícia e do futuro segundo marido, Alfredo Malerba, com quem ficou casada até o fim dos anos oitenta, mas eles mantiveram amizade até a morte dele, em 1994.

Em 1933, tinha sido parte do elenco de Tango, o primeiro filme sonoro da história da Argentina embora tivesse estreado quatro anos antes, em Adiós, Argentina, um filme mudo. Nesse trabalho, foi consagrada como a primeira figura feminina do tango embora cantoras como Rosita Quiroga, Tita Merello, Sabina Olmos, Nelly Omar (são cenas dos próximos capítulos) e outras tantas já fizessem parte dessa rotina.






Rotina de sucesso, na Argentina e em outras partes da América do Sul, além do México, que foi uma constante na vida de Libertad Lamarque até 1945, quando, durante as filmagens de La cabalgata del circo, onde era protagonista ao lado de Hugo del Carril, a já consagrada e veterana artista se desentendeu com a então pouco conhecida atriz Eva Duarte, que nessa época era comprometida com certo político muito conhecido, devido a atrasos e episódios de intriga protagonizados pela mesma.

No entanto, ela não imaginava que, em 1946, quando o general Juan Domingo Perón, agora casado com a mesma Eva, que viria a ser conhecida como Evita Perón, assumiu o poder, sua carreira sofreria um duro boicote. Uns dizem que foi em razão de uma vingança perpetrada pela agora primeira-dama não apenas contra a própria Libertad, mas outros inimigos, como os também atores Arturo García Buhr e Niní Marshall, que se viram sem trabalho e em sérias dificuldades de manter-se no país devido ao crescente poder da que seria eternamente apelidada "A mãe dos pobres". (Eu poderia dizer bem mais, mas como o post é sobre a Libertad Lamarque e não quero acabar criando uma polêmica desnecessária, vou parar por aqui.)

Entretanto, existe uma outra razão, que, ao meu ver é até mais crível, se prestarmos um pouco de atenção à História Argentina no que diz respeito ao governo Perón (eu não vou entrar em detalhes, mas... sigam a leitura e depois pesquisem mais a fundo), é muito mais provável que o boicote, que por sua vez levaria Libertad Lamarque a uma extensa turnê pela América até ela radicar-se em definitivo no México, tenha sido em razão da oposição que não apenas ela, mas muitos outros artistas, faziam ao governo excessivamente populista do controverso general.

(Certo, é bom ajudar o povo, mas pagar de bonzinho só para ter poder eterno também não serve. Só para terem uma ideia, o cadáver embalsamado de Evita, que morreu de um câncer uterino em 1952, aos 33 anos, ficou exposto em público, por ordem dele, durante TRÊS ANOS! Gente, se isso não é coisa de gente doente da cabeça, não sei o que pode ser.)






Isso sem contar que durante os anos quarenta houve falta de celulóide (material para películas de filme) e os filmes começaram a ter um cunho político mais oficialista. Ou seja, era um ambiente muito pouco propício para Libertad, que não suportava a ideia de ser encoleirada por quem quer que fosse, ainda mais um homem, experiência que ela já havia tido uma vez, quando se casou com o pai de sua filha. Entretanto, Lamarque, já bem mais velha, respondia sobre sua pelea com Eva Perón do seguinte modo:
"De alguma maneira, graças à minha briga com Evita, consegui ganhar a América. Se não fosse assim, talvez meu nome tivesse ficado no anonimato."
Dizem sempre que há males que vem para bem e nesse caso, não foi diferente.

Com mais de quatrocentos registros discográficos, e mais de OITOCENTAS gravações, até meados dos anos noventa, e pelo menos 65 filmes no currículo, filmando na Argentina, México e até mesmo na Espanha, além de várias novelas, nas quais apareceu depois de deixar o cinema em 1978, Libertad conseguiu o recorde de atriz argentina com a mais longa carreira fora da Argentina e tornou-se um dos maiores nomes da história cultural do continente.

Infelizmente, porém, como diriam os espíritos dos pais do Harry Potter em A Very Potter Musical Brasil: tudo tem que ter um fim.






Pois, durante as filmagens de Carinha de Anjo, onde fazia a Madre Superiora Piedade, no ano 2000, perto do fim do ano, Libertad Lamarque sentiu fortes dores nas costas e teve de ser internada às pressas no Hospital Santa Helena, na Cidade do México, onde foi diagnosticada com pneumonia. Doença da qual a atriz e cantora faleceu em 12 de dezembro de 2000, poucas semanas após completar 92 anos cercada de um grande e merecido sucesso de 76 de ininterrupto trabalho e esforço pela arte.

Libertad, como seu próprio nome dizia, odiava ficar presa, razão pela qual pediu para ser cremada e ter suas cinzas lançadas ao mar, pois a ele sempre todos visitam.

Portanto, quando você estiver diante do mar, lembre-se de Doña Libertad e ouça bem, escute bem, a própria señora Lamarque impressionando os anjos com seu canto.


Fontes pesquisadas: 



Ouça as músicas de Libertad Lamarque: 

Renata Cezimbra
Professora desempregada, leitora voraz,
escritora doida e vampiróloga amadora.
17 Comentários | BLOGGER
Comentários | FACEBOOK

17 comentários:

  1. Oi Renata, como vai?
    Eu assisti muito carinha de Anjo e A Usurpadora no SBT, acho difícil ter alguém que não tenha assistido, já que elas foram reprisadas várias e várias vezes. Mesmo assim não sabia nada sobre a vida dessa atriz e achei o seu post muito interessante e diferente do conteúdo encontrado em outros blog.
    Parabéns pelo post, gostei muito!

    Beijos e abraços
    http://vickyalmeida.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. A muitos anos não assisto mais essas novelas, mas eu já assisti muito, e mais de uma vez. Apesar de ser da década de 90 meu nascimento. rs
    Uma bela atriz com uma linda história de trabalho, que ela tenha um ótimo descanso e nunca seja esquecida.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oláa, tudo bem? Apesar de ter assistido a alguns episódios das novelas que citou, não lembrava da atriz! Gostei muito do seu post e poder conhecer a vida e toda trajetória (muito rica) de Libertad! Postagem maravilhosa. Parabéns! Vou continuar acompanhando :)

    Beijos
    https://umaleitoravoraz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi, Renata.
    Apesar de eu ter nascido no início dos anos 80, não conheço nenhuma dessas novelas que você citou, então não conhecia a atriz. Mas devorei esse seu post e amei saber mais sobre ela... Não sou de novelas, mas adoro música e já entrei aqui no link que você colocou!!
    Beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva
    http://leitoracompulsiva.com.br

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Não sabia que a Vovó Piedade era cantora também. Acho que pra mim ela será a eterna vovó da novela Maria do Bairro. Adorei poder conhecer mais da trajetória da Libertad.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  6. Nossa, que post altamente cultural. Sabe que eu adoro novelas mexicanas, mas amava com a Maria do Bairro, e agora já quase nem vejo novela porque seriados são tantos. Mas realmente parece que o boicote com ela foi muito melhor do que pode parecer, acho que há males que vem para o bem.

    ResponderExcluir
  7. Carinha de Anjo eu vi muito pouco, mas como eu amava A Usurpadora, vi inúmeras vezes. Não fazia ideia do orgulho que essa atriz é para o povo argentino e nem mesmo conhecia as proezas dela no cenário musical. Uma vida marcante, com certeza.

    Abraços.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Eu lembro de ambas as novelas e da atriz, apesar de não ter a mínima ideia sobre sua história de vida.
    Bjs Rose

    ResponderExcluir
  9. Nossa, Renata! Estou com os olhos cheios de lágrimas por sua culpa!kkkkkkk...

    Eu sou fã incondicional da novela A Usurpadora e guardo com carinho em meu coração Carinha de Anjo. Eu sabia que a atriz que interpretou a vovó Piedade tinha falecido, mas não imaginava que fazia tantos e tantos anos. Não sabia que foi durante as gravações de CDA. :(

    Admiro demais a atriz e não conhecia sua história completa. Sabia nada sobre ela. Que vida! De grandes sucessos, sem dúvida, mas também de tristezas. Ela chegou a tentar suicídio por causa do inferno que vivia com o marido! Meu Deus do céu! Espero que o canalha tenha pago com juros todo o mal que lhe causou.

    Amo tango! E foi lindo saber que a Libertad foi tão importante para a história da Argentina e do tango. Li uma vez um livro que amei chamado Marlene da minha querida autora argentina Florencia Bonelli. Neste livro conhecemos um pouco do início do tango e como ele era desprezado pelas pessoas das classes "altas".

    Como a Libertad, quando a minha história chegar ao fim, também quero ser cremada. E que minhas cinzas vão para o mar. É o mais justo.

    ResponderExcluir
  10. Oi! Que matéria maravilhosa!! Essa mulher foi mesmo um grande ícone artístico de seu século! Tão linda e talentosa! Nasci no final da década de 80 e sei como é ser louca pela Usurpadora, toda vez que passa, se eu posso, assisto! Tem que se celebrar e eternizar mesmo, o talento incrível dessa grande mulher!
    Bjoxx ~ http://www.stalker-literaria.com/

    ResponderExcluir
  11. Que post completinho i interessante. Nunca curti novelas mexicanas, mas amo musica latina em seus diversos gêneros e o tango e um dos queridinhos e o seu post foi fonte de conhecimento importantíssimo. Claro que as novelas que você citou eu já ouvi falar, mas saber que ela estava no elenco, me me fez querer ver alguma coisa. Esse background histórico foi riquíssimo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Oi Renata!
    Não conhecia a história da Libertad, só conhecia mesmo pela Vovó Piedade em a Usurpadora e outras novelas mexicanas. Fiquei encantada com a história incrível dessa mulher, do que ela passou, do que ela sobreviveu. Que mulher maravilhosa! Não sabia que ela cantava também, sem dúvidas vou procurar ouvi-la, fiquei encantada por saber da trajetória dela e de quão importante ela foi para o Tango argentino e que devo admitir fiquei feliz por ter saído dela e ter ido para o México.
    Essa postagem é incrível!
    Beijos

    www.lendoeapreciando.com

    ResponderExcluir
  13. Olá Renata, tudo bem?
    Que postagem mais amor. Eu sou viciada em AU, sempre que passa eu assisto e quando demora a passar, eu assisto na internet, porque sou dessas. Uma de minhas personagens favoritas é a Vovó Piedade, mas eu não conhecia a história da atriz, que achei muito bonita e marcante. O mar nunca mais será o mesmo pra mim.
    Beijos,
    http://www.umoceanodehistorias.com/

    ResponderExcluir
  14. Olá Ranata, adorei o seu post *-* Conhecia ela pelas novelas que você citou, mas não a sua historia e adorei poder conhecer um pouco sobre ela e descobrir que também era uma ótima cantora *-*

    ResponderExcluir
  15. Olá,

    Eu amava Carinha de Anjo e que saudade senti lendo seu post! Não conhecia muito bem sua história e achei muito interessante, pelo visto ela teve mesmo uma carreira de muito prestígio. Também não sabia que ela cantava e irei conferir suas músicas. Parabéns pelo post!

    www.virandoamor.com

    ResponderExcluir
  16. Olá, tudo bem?
    Que interessante o post! Eu assisti A Usurpadora algumas vezes no SBT (quem nunca, não é mesmo?) e a Vovó Piedad era uma das minhas personagens preferidas. Apesar de já imaginar que ela tinha uma longa carreira, não sabia que ela tinha tido uma trajetória tão incrível.
    Sem dúvida, foi uma mulher muito talentosa e fiquei curiosa conferir as músicas dela depois.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  17. Oie!
    Eu comecei a ver as novelas do SBT lá pela época de "Amy e a mochila azul", "Alegrifes e Rabujos", etc. Não conhecia as novelas que vc citou, mas adorei saber mais da trajetória de uma mulher tão incrível

    ResponderExcluir

 
© Galáxia de Ideias, VERSION: 01 - BLUE UNIVERSE - janeiro/2018. Todos os direitos reservados.
Criado por: Maidy Lacerda. Widget inspirado/base do menu por MadlyLuv
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo