RESENHA DE A MULHER NA JANELA – POR A.J. FINN
RESENHA DE CONTAGEM REGRESSIVA – POR KEN FOLLETT
RESENHA DE UM SEDUTOR SEM CORAÇÃO – POR LISA KLEYPAS

[Baú Musical] A Trinca do Tango II: Agustín Magaldi

24 abril 2018


Olá orbitantes desta Galáxia de Ideias! Que tal hoje orbitarmos mais uma vez no tempo e irmos para a Argentina dos anos vinte e trinta. Quem sabe no finalzinho do século 19?

Por que? Porque a postagem de hoje continua a trilogia de postagens referentes aos três maiores cantores de tango da história da música argentina e porque não, da mundial.

O segundo cantor que eu trago cá para a nossa linda e brilhante galáxia nasceu em 01 de dezembro de 1898, na localidade argentina de Casilda, próxima a cidade de Rosário (Rosario), província de Santa Fé, baixo o nome de Agustín Magaldi Coviello. Ou como passou ao imaginário popular dos entusiastas musicais, Agustín Magaldi, da Trinca do Tango o único realmente nativo da Argentina. Pois Corsini era italiano da Sicília e Gardel (cenas do próximo capítulo), francês de Toulousse, mas ambos adotaram a Argentina como seu lar e lá se consagraram.





Argentino esse que passou sua infância entre as duas cidades mencionadas, o que por muitos anos causou confusão sobre onde ele teria realmente nascido, mas hoje sabe-se que ele nasceu próximo à Rosario embora o registro dele conste como ele sendo da mencionada cidade. Mas como naquela época nem todos os locais tinham cartório, os pais tinham de viajar de um lugar a outro para registrar as crianças. Inclusive é muito possível que a data de nascimento oficial de Magaldi não seja a data real, pois as viagens naquela época podiam durar dias em razão das condições das estradas.

Filho de imigrantes italianos, Carlos Magaldi e Carmen Coviello, ambos da região da Calábria, na Itália, desde novo viu-se cercado de música e tinha particular fascínio pelo tenor Enrico Caruso (1873 – 1921) (Quem sabe eu futuramente não faça um post sobre ele ou até sobre a Bidu Sayão e talvez Maria Callas). Que caso alguém não saiba, foi APENAS o maior cantor lírico de todos os tempos. Nem mesmo Luciano Pavarotti, que foi O cara por décadas, comparava seu talento ao dele.

O que levou Agustín, anos depois, quando adolescente, a sonhar com uma carreira lírica e até mesmo chegou a assistir uma apresentação de Enrico Caruso em 1918, quando este apresentou-se na América do Sul. Nesse meio tempo, Magaldi inclusive atuava como ator cômico em uma companhia de teatro, mas a atuação nada era se comparada à sua verdadeira vocação: o canto.


Que poderia ter sido lírico, mas acabou desembocando na música criolla, folclórica e por fim, o tango. Como aconteceu? Tendo cantado durante a festa de casamento de uma amiga de suas primas, Agustín Magaldi despertou enorme interesse do maestro que conduzia a música da festa, Nicola Mignona, que no dia seguinte torna-se seu professor de canto lírico na escola que o próprio dirigia. No entanto, sua estreia no “bel canto”, em 1919, foi bastante conturbada, com o então jovem de vinte e um anos tendo tomado um tomate diretamente no peito em uma brincadeira estudantil de mau gosto. Isso, porém, não o impediu de voltar e continuar até o final, arrancando aplausos da plateia. Um dia, em que se celebrava o Estudante e a Primavera, que nunca saiu da mente do rapaz.

Mas se Magaldi quisesse mesmo se consagrar como tenor, teria de viajar à Itália e continuar seus estudos na famosa “Scala de Milán”, porém, o jovem era de família humilde e não tinha condições de bancar tal empreitada. O que fez o jovem Agustín tentar encontrar alguém para apadrinhar sua viagem, tentativa que durou semanas. Que teria ocorrido sem maiores problemas se a pessoa escolhida não tivesse falecido durante o caminho, deixando Magaldi a ver navios e com seu sonho de canto lírico arruinado para sempre.

“Sou um fracassado – nos disse Magaldi com acentuada tristeza naquela ocasião – pois, meu sonho dourado era ser um cantor lírico de fama. A vida me negou essa satisfação íntima, ainda que, como em uma ironia das coisas, me premiou com o triunfo de cantor popular.” – Revista Vida Argentina, outubro de 1938.

Isso, porém, não queria dizer que ele abandonaria o sonho de cantar. Porque não muito depois ele, já hábil na execução do violão, instrumento que o acompanhou por toda a carreira, começou a descobrir as verdadeiras maravilhas da música local, com suas variadas cores, matizes e ritmos. No entanto, não seria ainda que Agustín Magaldi conheceria a fama e a popularidade como cantor, já que as pessoas, nessa ocasião, ainda não se interessavam pela música nativa local. Me atrevo a dizer que inclusive existia um grande preconceito com relação a ela. (Alguém percebeu uma similaridade entre aquela época e agora?) O que ocasionou o término da primeira dupla que o cantor ainda em começo de carreira conseguiu formar. Mas esse não seria o único fracasso de Magaldi.






O segundo, uma série de giras por Buenos Aires que deixou o jovem sem qualquer dinheiro, após o mesmo ganhar uma quantia na loteria, resultou ainda pior, pois os gastos eram altos demais e o retorno era zero. Por pouco Agustín Magaldi não viu sua vida e carreira terminarem antes mesmo de começar, pois foi encontrado pelo irmão mais velho, depois de um pedido da mãe, Dona Carmen, vivendo em condições insalubres e com sua moral completamente quebrada ao meio depois de novamente ver seus sonhos jogados no lixo.

Formou dupla com outros dois cantores, mas ambas duraram pouco tempo. Inclusive uma de suas duplas, Nicolas Rossi, que com muita pena rompeu a parceria, viajou ao exterior para tentar a sorte como ator, mas não sem antes dizer que Buenos Aires já conhecia Magaldi e que agora ele encontraria o sucesso. Que começou realmente a se abrir para ele quando conheceu a cantora Rosita Quiroga (1896 – 1984), que não apenas lhe abriu as portas sendo dupla dele por algum tempo, mas também sua namorada, uma relação que não durou muito, mas foi o suficiente para Magaldi enfim começar a obter o sucesso que buscou malogradamente por anos. Embora o rompimento tenha deixado Agustín Magaldi bem abalado, isso não foi impedimento para que ele seguisse em frente enquanto ela mesma seguia carreira solo. (Se eu tivesse de fazer uma comparação, a Rosita Quiroga foi para os argentinos o que a Inezita Barroso foi para nós.)

Foi então que, em 1925, com Magaldi já contando com 27 anos, formou dupla com um cantor e violonista do bairro bonaerense (aqui eu me refiro à cidade de Buenos Aires) de Mataderos, Pedro Noda (1901 – 1967), com quem gravou 137 músicas no total.

Mas nem só de sucesso musical viveu Magaldi.

Em 1931, o cantor conheceu aquela que viria a ser sua esposa por pelo menos dois anos, Facunda Miserendino, que foi a mãe de seu único filho, Agustín Magaldi (Hijo), nascido em 1932 e chegou a seguir a carreira do pai, mas nunca obtendo o mesmo sucesso em razão da voz completamente diferente e faleceu em 1988. O casamento do cantor, porém, durou muito pouco em razão da esposa não aceitar muito bem as constantes peregrinações do cantor em razão dos shows e da popularidade que a cada dia aumentava mais. O que causou um grande problema depois na hora de encontrar gravações inéditas de Magaldi, dado que Facunda, de raiva, provavelmente pela música ter dissolvido seu casamento, destruiu muitos acetatos (antigamente as músicas eram gravadas em acetatos e 78 rotações) ao ser nomeada herdeira dos direitos autorais do ex-marido.


Popularidade essa que lhe valeu, algum tempo depois, o apelido de La Voz Sentimental de Buenos Aires logo que a parceria de dez anos com o cantor Pedro Noda se dissolveu, dado o desejo do cantor de alçar voos mais altos. Também dissoluta (a parceria musical, não a amizade) as desavenças com Don Jaime Yankelevich, que o fizeram romper o contrato com a RCA VICTOR e assinar com a LR4 Radio Splendid.

Onde, durante um ano e nove meses alcançou todo o sucesso que sempre mereceu dado à sua bela voz e interpretação única. Embora os críticos e profissionais daquela época seriamente criticassem suas escolhas de repertório e até mesmo a falta de uso do lunfardo “gardeliano” tradicional, já que a maior parte das letras cantadas por ele prezava por uma linguagem de fácil entendimento. Ainda, a imensa variação de gêneros ajudou nessa aceitação um tanto mista, embora o público o venerasse a nível do próprio Carlos Gardel, a quem Agustín dedicou a canção Porqué te fuiste, hermano?, que gravou na ocasião da morte do mesmo.

Público esse que, em oito de setembro de 1938, chorou a partida sem volta de Agustín Magaldi, que perto de fazer quarenta anos, faleceu às sete horas de una mañana gris (quem ouvir no Spotify vai entender a referência) após uma crise hepática enquanto tentava se recuperar de uma cirurgia feita para conter as cólicas hepáticas que há anos afetavam o cantor. 24 horas depois de um velório concorrido no famoso estádio Luna Park, foi sepultado no Cemitério da Chacarita, onde hoje descansa em seu próprio mausoléu, alvo de muita visitação popular.


Visitação popular essa que nem imagina que, quando cai a noite, o próprio Magaldi, buscando seu jantar, as observa, feliz por saber, que mesmo oito décadas depois, ainda se lembram dele com carinho.

Ele agradece a apreciação.


Ouça as músicas...

Spotify - Magaldi


Túmulo atual de Agustín Magaldi... (Ele primeiro foi sepultado no Panteão da SADAIC (Sociedade Argentina de Cantores e Compositores), onde permaneceu até 1981, quando o mausoléu atual, localizado no Recanto de Personalidades, onde estão sepultadas personalidades como Julio e Francisco de Caro, Alfonsina Storni e outros, foi finalizado.)




Estádio Luna Park:










(Fotos tiradas por mim enquanto eu estive na Argentina.)








Renata Cezimbra
Professora desempregada, leitora voraz,
escritora doida e vampiróloga amadora.
31 Comentários | BLOGGER
Comentários | FACEBOOK

31 comentários:

  1. Bom dia, tudo bem?
    Paixão da minha avó.. Relembrei os tempos em que ela ficava ouvindo tango e dançando pela casa.
    Saudades!
    Hoje, infelizmente ela está debilitada e não anda direito. Somente com auxilio.

    Amei as fotos.

    Beijos.

    www.alempaginas.com

    ResponderExcluir
  2. Infelizmente não é um estilo de música que me agrade, então pouco conheço dos cantores. Que infortúnio a vida desse Magaldi, seu padrinho de viagem morrer, por outro lado o consagrou na musica local e morreu tão jovem, uma pena para os fãs. Mas tenho certeza que ele deixou seu legado ao povo argentino e aos apreciadores do tango.

    Abraços.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia o cantor. Na verdade, não conheço praticamente nada da cultura argentina. Mas tenho muita vontade de conhecer. Adorei suas fotos.
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  4. Olá!! :)

    Eu confesso que não conhecia o cantor ainda, mas ainda bem que trouxeste este post, tao completo quanto original!

    Enfim, não conhecia muito de tango e da cultura argentina também... ahahah Mas já estou perito :P

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Esse não é bem meu estilo musical, e talvez por isso eu nunca tenha ouvido falar deste cantor, nem tenha me interessado em conhecer. Mas achei legal ver que, como todos nós, ele passou algumas dificuldades até conseguir atingir seus objetivos. O mais legal é saber que ele não desistiu, serve de grande exemplo pra todos nós.

    Abraços

    ResponderExcluir
  6. Oi Renata, achei muito interessante a tua postagem e adorei as fotos. Eu lembro que teve uma época que eu queria aprender a dançar tango haha, mas passou...
    Eu sempre gosto de conhecer um pouco de outras cultura e quero um dia, conhecer a Argentina, quem sabe eu arrisque uns passinho.
    Bjos
    Vivi
    http://duaslivreiras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oii tudo bem ?
    Confesso que não conhecia o cantor e nada da cultura argentina , tango e um estilo que eu tenho curiosidade em conhecer acho tao bonito mais sei tao pouco sobre ele ....
    Gostei bastante do tema que você trouxe parabéns .

    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Oiii Renata

    A primeira vez que escutei o nome de Magaldi ainda era menina, meu avô gostava muito das músicas dessa Argentina dos anos 30/40, época da juventude dele. Gostoso relembrar ele novamente através da tua postagem, bateu uma nostalgia imensa.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  9. Amo publicações assim <3
    Lembro que ouvi falar de Magaldi quando era bem pequena, mas isso porque minha vó sempre curtiu músicas argentinas. Ahh que nostalgia boa =D

    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir
  10. Olá, tudo bem?
    Eu fiz aulas de dança por um tempo, incluindo tango. Acho as músicas muito bonitas, mas confesso que não são músicas que eu ouço normalmente e nem conheço os cantores. Assim, nunca tinha ouvido falar do Agustín Magaldi.
    Achei o post interessante e me fez lembrar muito do meu avô, que amava tango. Acho que ele certamente devia ter conhecido esse cantor.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  11. Olá, tudo bem? Olha eu nunca ouvi falar desse cantor antes mas, acredito que seja porque não curto o ritmo de musica que ele toca, vou fazer umas pesquisas para conhecer as musicas do autor, vai que eu goste néh?
    Gostei da sua ideia de post, não lembro de ter lido nada parecido na web!

    Beijos e abraços
    http://vickyalmeida.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Nunca tinha ouvido falar dele e provavelmente nunca ouviria se não fosse pela sua postagem, já que não sou nada ligada em música e muito menos na vida de cantores. Mas gostei de conhecer a dele, teve que lutar bastante e aceitar que não poderia realizar seu maior sonho, mas mesmo assim fez o melhor possível com o que tinha.

    ResponderExcluir
  13. Olá...
    Eu sou completamente apaixonada pela Argentina (é muito delicado soltar um comentário desses em pleno ano de Copa do Mundo kkkkk...), ainda não tive oportunidade de visitar, mas, amo tudo que esteja envolvido com o país e as paisagens de lá são incríveis!!!!
    Não ouço muito tango, mas, adorei conhecer um pouco mais sobre...
    Bjo

    ResponderExcluir
  14. Oi,
    Gostei muito do post e de poder conhecer sobre a vida desse cantor que tanto foi importante para o povo argentino.
    Abrçs

    ResponderExcluir
  15. Olá, eu não conhecia essa cantor, mas adorei a como seu post ficou bem completo *-* Estou adorando esses post sobre cantores de tango.

    ResponderExcluir
  16. Oi Renata.

    Eu não conheço praticamente nada da cultura Argentina, por isso eu não conhecia este cantor. Não é meu gênero musical, mas gostei das informações que vocês deixou dele.

    Bjos
    http://historiasexistemparaseremcontadas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  17. Oi.

    Não conhecia esse cantor. A única coisa que eu conheço da Argentina São são alguns tangos, mais os que vejo em alguns filmes. Como não faz muito meu estilo, eu acabo não querendo conhecer muito, pois sei que nao vou ouvir. Mas foi bom conhecer um pouco mais afora para consultas futuras.

    ResponderExcluir
  18. Olá! Não conhecia nada de nada.. Acho a Argentina um país muito bonito e muito rico culturalmente, e sei que o tango de lá é famoso. Além de ser um estilo de dança muito lindo, a música também é maravilhosa. Tem uma tia que adora esse tipo de música, e sempre ouvimos algo semelhante na casa dela.. suas fotos ficaram lindas, deve ter sido uma viagem inesquecível!


    Bjoxx ~ www.stalker-literaria.com

    ResponderExcluir
  19. Olá!
    Apesar de já ter tido contato com o tango nas ruas onde artistas se apresentam, não conhecia da história desses cantores e gostei de poder conhecer mais da cultura local de um estilo musical tão forte nesse país.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  20. Oie!

    Eu não conheço os cantores/compositores de tango, mas acho uma dança muito bonita, e com certeza no dia que eu tiver a oportunidade de ir a Argentina irei nesses lugares que você citou, conhecer mais da cultura deles!

    Bjss

    ResponderExcluir
  21. Que bom que ele não desistiu do sonho e correu atrás mesmo diante de tantas dificuldades.
    Bjs Rose

    ResponderExcluir
  22. Oie!
    Confesso que não conhecia o estilo musical, ainda não tinha lido nada sobre a história do mesmo.
    Achei interessante saber um pouco mais e também ouvir a música.
    Ótima dica!
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  23. Olá,

    Amo música e não consigo viver sem! Não conheço nada sobre tango e sendo sincera não faz muito o tipo de música que costumo ouvir, porém acho lindo a dança, perco horas assistindo vídeos desse tipo haha.

    Beijos,
    oculoselivrosblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  24. Olá Renata,
    Você, como sempre, traz coisas inovadoras para o Galáxia e sempre acrescenta muito em conteúdo. Eu não conhecia esse cantor, mas também não sou tão fã desse gênero musical. A história de vida dele me surpreendeu bastante e me instigou a pesquisar mais sobre ele.
    Beijos!
    https://www.umoceanodehistorias.com/

    ResponderExcluir
  25. Olá, tudo bem? Que ideia criativa de postagens. Adorei conhecer um pouco mais do cantor, o qual não conhecia por não ser fã do gênero. A vida dele me pareceu bastante instigada. Ah também já fui na Argentina, é um país lindo né?! Amei mesmo haha <3
    Beijos,
    http://diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  26. Renata, adoro esse seu amor pela Argentina e pela cultura e o seu post me deixou maravilhada com a tragetória do músico e a foma como ele se realizou. Suas fotos me deixaram com saudade de "Baires". É um lugar lindo!!! Em especial do show que pude assistir de um dos meus cantores favoritos, Pablo Alboran, n Luna Park em 2015.
    Beijos

    ResponderExcluir
  27. Não conhecia o Agustín Magaldi e estou me sentindo mal por nunca ter ouvido falar desse importante cantor argentino.
    Gosto desse tipo de postagem por isso: a gente acaba tomando um banho de cultura.
    Bela postagem :)

    Abraço!

    ResponderExcluir
  28. Oie!
    Não conhecia esse cantor! É incrível como os blogs nos permitem conhecer coisas novas! Eu adorei saber mais sobre ele! 😀

    ResponderExcluir
  29. Oi gente, como estão?
    MUITO agradecida por tanto carinho para com minhas postagens!
    Podem estar certos de que eu amei realizar essa pesquisa e essa escrita e que amarei mais ainda continuar realizando isso tudo para vocês!
    O meu honesto, sincero e do coração MUITO OBRIGADA!
    Abraços e beijos da Lady Trotsky...
    http://www.galaxiadeideias.com/
    http://osvampirosportenhos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  30. Ola lindona amei a postagem , por conhecer mais sobre o cantor, minha avó amava tango e sempre que leio ou vejo algo me recordo com alegria dela e seu amor pelo tango. beijos

    Joyce
    Livros Encantos

    ResponderExcluir
  31. Oi, tudo bem?
    Não conhecia absolutamente nada e foi uma aula interessante. Sua escrita é bem fluída, por isso foi gostoso de ler mesmo que não seja meu gênero. A informação sobre Agustin não será perdida pra mim, pois, escrevo e é claro que sempre amo aprender mais. Otima postagem, beijos!

    ResponderExcluir

 
© Galáxia de Ideias, VERSION: 01 - BLUE UNIVERSE - janeiro/2018. Todos os direitos reservados.
Criado por: Maidy Lacerda. Widget inspirado/base do menu por MadlyLuv
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo