RESENHA DE A DELAÇÃO – POR JOHN GRISHAN
RESENHA DE A MULHER NA CABINE 10 - POR RUTH WARE
RESENHA DE A FOGUEIRA - POR KRYSTEN RITTER

[Resenha] A delação - Por John Grisham

19 janeiro 2018


Título: A delação
Autor (a): John Grisham
Páginas: 384
Editora: Rocco
Skoob || Goodreads
Compre: Amazon || Submarino || Americanas

Sinopse: Corrupção, conflito de interesses, favorecimentos ilícitos, compra de sentenças, delações premiadas... Parece Brasília, mas é a trama do novo romance de John Grisham. Lacy Stoltz trabalha para o Conselho Judicial da Flórida e investiga a atuação da juíza Claudia McDover no processo que autorizou a construção de um cassino em terras indígenas, abrindo caminho para a ampliação dos negócios de um certo Vonn Dubose. Ganancioso e nada ético, Dubose não mede esforços para alcançar seus objetivos, comprando o apoio da juíza McDover numa trama que envolve falcatruas e assassinato, e que colocará em risco até mesmo a vida de Lacy Stoltz e seus colegas do Conselho de Conduta Judicial. Veterano da lista dos mais vendidos do The New York Times, com mais de 30 livros publicados, vários deles transformados em filmes de sucesso, Grisham mostra que segue em ótima forma com este clássico thriller de tribunal.



"— Tudo bem, e por favor me lembre por que estamos os dois nesse encontro secreto com um homem que usa codinome e ainda vai entrar com uma denúncia formal contra um de nossos estimados juizes.
— Não posso explicar. Mas conversei com ele três vezes por telefone e ele parece, hum, bem honesto.
— Que ótimo. Quando foi a última vez que você conversou com um autor de denúncia que não parecesse, hum, bem honesto?"

Era somente mais um dia comum de trabalho para Lacy Stoltz e Hugo Hatch, dois colegas de trabalho que eram funcionários do governo, no setor do CEJ, conselho estadual de justiça, um órgão encarregado de receber e investigar denúncias recebidas relativamente aos juízes estaduais. No entanto, após uma ligação misteriosa de alguém que não expressou desejo de se identificar, Lacy e Hugo fazem uma pequena viagem com o intuito de encontrar-se com o autor do telefonema, que prometia ter o maior caso de corrupção envolvendo juízes que o estado poderia ver. A partir de então, o que seria algo comum, logo se transforma em algo misterioso assim que os colegas estabelecem contato com Greg Myers, um advogado de meia idade que relata ter descoberto alguém do judiciário que acoberta uma grande máfia e que com isso haveria muito dinheiro em jogo.



Tamara Padilha
Leitora compulsiva com foco em quase todos os gêneros
(exceto os romances de época e ficção científica).
Apaixonada por escrita, e em breve bacharel em direito.

[Resenha] A mulher na cabine 10 – Por Ruth Ware

18 janeiro 2018

Título: A mulher na cabine 10
Autor (a): Ruth Ware
Páginas: 320
Editora: Rocco
Skoob || Goodreads
Compre: Amazon || Americanas || Submarino

Sinopse: Aclamado pela crítica e há mais de 30 semanas na lista dos mais vendidos do The New York Times, A mulher na cabine 10 estabelece de vez Ruth Ware como um dos grandes nomes do suspense contemporâneo, na melhor tradição de Agatha Christie. No livro, uma jornalista de turismo tenta se recuperar de um trauma quando é convidada para cobrir a viagem inaugural de um luxuoso navio. Mas, o que parecia a oportunidade perfeita para se esquecer dos recentes acontecimentos acaba se tornando um pesadelo quando, numa noite durante o cruzeiro, ela vê um corpo sendo jogado ao mar da cabine vizinha à sua. E o pior: os registros do navio mostram que ninguém se hospedara ao seu lado e que a lista de passageiros está completa. Abalada emocionalmente e desacreditada por todos, Lo Blacklock precisa encarar a possibilidade de que talvez tenha cometido um terrível engano. Ou encontrar qualquer prova de que foi testemunha de um crime e de que há um assassino entre as cabines e salões luxuosos e os passageiros indiferentes do Aurora Boreal.


Laura Blacklock é uma jornalista de turismo que recebe a chance de alavancar sua carreira quando sua chefe não pode ir a um cruzeiro e é convidada á ir em seu lugar. Tudo estaria ótimo se Lo (apelido da Laura) não estivesse possivelmente sofrendo de transtorno de estresse pós-traumático, após passar por um trauma dias antes de embarcar no cruzeiro.




Barbara M. Cabalero
Advogada, concurseira e apaixonada por livros desde criança.
Meu gênero favorito é fantasia, mas sou bastante eclética,
leio quase todos os gêneros.

[Resenha] A Fogueira - Por Krysten Ritter

17 janeiro 2018

Título: A Fogueira
Autor (a): Krysten Ritter
Páginas: 288
Editora: Rocco - Fabrica 231
Skoob || Goodreads
Compre: Amazon || Americanas || Submarino

Sinopse: Com lançamento simultâneo no Brasil e nos EUA, A fogueira é o livro de estreia da atriz Krysten Ritter, protagonista do premiado seriado da Netflix Jessica Jones e conhecida também por seus papéis em Os defensores e Breaking Bad, entre outros filmes e séries. Na trama, Abby Williams é uma advogada de 28 anos especializada em questões ambientais. Hoje uma mulher independente vivendo em Chicago, Abby teve uma adolescência problemática numa cidadezinha no estado de Indiana que até hoje ela luta para esquecer. Mas um caso de contaminação envolvendo uma grande empresa obriga Abby a voltar à pequena Barrens e confrontar seu próprio passado. Quanto mais sua equipe avança nas investigações sobre a Optimal Plastics, mais Abby se aproxima também da verdade sobre o misterioso desaparecimento de sua antiga melhor amiga anos atrás e de outros acontecimentos até então sem resposta.


"Kaycee foi a primeira. Fez sentido. Ela foi a primeira a fazer tudo: perder a virgindade, experimentar um cigarro, dar uma festa.
Kaycee andava à frente das amigas como um lobo alfa liderando a alcateia. No refeitório, decidia onde se sentar, e as outras a seguiam; se ela comesse o almoço, as outras comiam também; se movesse a comida de um lado para outro na bandeja ou só almoçasse um saco de balas de goma Swedish Fish, as amigas faziam o mesmo."

Há segredos que, por mais que se queira remexer, é melhor (ou mais seguro) que permaneçam no passado. É isso que Abi, uma advogada que deixou há muitos anos a pequena cidade onde crescera, Barrens, descobrirá, quando retornar à tal cidade a trabalho. Um trabalho que envolve investigar o passado, desvendar os mistérios do presente e, especialmente para ela, solucionar o paradeiro de sua ex melhor amiga, Kaycee. De volta a Barrens, Abi também terá de lidar com seus temores e pesadelos mais antigos: a morte da mãe; um pai com o qual ela jamais se dera bem; antigos colegas de classe, agora já adultos e com suas vidas formadas, lembranças dolorosas de uma adolescência em que fora auvo de bullying. Mas tudo isso é necessário.




Isabela Rocha
Estudante de jornalismo. Apaixonada incorrigível pelas palavras.
Aventuro-me por todos os gêneros,
desde romances água com açúcar, até os temivéis terror.

[Resenha] BatGirl na Super Hero High - Por Lisa Yee


Título: Batgirl na Super Hero High
[DC Super Hero Girls #3]
Autor (a): Lisa Yee
Páginas: 256
Editora: Rocco Jovens Leitores
Skoob || Goodreads
Compre: Amazon || Submarino || Americanas

Sinopse: No terceiro livro da série DC Super Hero Girls, parte de um bem-sucedido projeto multiplataforma que apresenta personagens clássicos da DC Comics para as novas gerações, Barbara Gordon é uma garota muito inteligente, gênio da tecnologia e ótima detetive. Embora não tenha superpoderes, esses talentos a levam a conseguir uma vaga na Super Hero High, e ela não desiste até convencer o pai, o Comissário Gordon, a deixá-la frequentar a famosa escola de super-heróis, ao lado de Supergirl, sua melhor amiga, e de outras super-heroínas. Lá, ela rapidamente se torna uma das alunas preferidas do professor de Robótica e Ciência da Computação, e vai precisar ganhar uma batalha de computadores para salvar a Terra. Mas será que sua inteligência e domínio da tecnologia serão suficientes? Barbara Gordon sempre teve o coração de uma heroína. Transformada em Batgirl, ela deverá provar que pode ser uma.



Resenhas anteriores:
DC Super Hero Girls #2 - Supergirl na Super Hero High (em breve?



Bárbara Gordon é filha do comissário Gordan da cidade de Gotham City. Dotada de uma excepcional inteligência para tecnologias, a jovem presta serviços para a Super Hero High na área de robótica ajudando a criar novos aparatos para os super heróis. No entanto, após ajudar a Supergirl a derrotar uma vilã que desejava dominar a terra, a escola vê em Bárbara o potencial para ser uma super heroína.



Stefani Almeida
Arquiteta e Urbanista
Apaixonada por livros, filmes, series
fotos e Funko Pop

[Resenha] Os crimes da Rua Morgue - Por Edgar Allan Poe

16 janeiro 2018


Título: Os crimes da Rua Morgue
[E outras histórias extraordinárias]
Autor (a): Edgar Allan Poe
Páginas: 224
Editora: Fantástica Rocco
Skoob || Goodreads
Compre: Amazon || Submarino || Americanas

Sinopse: Com “Os crimes da rua Morgue”, Edgar Allan Poe inaugurou, em 1841, a moderna literatura policial e criou um de seus mais célebres detetives, o até hoje reverenciado Auguste Dupin. O conto, que narra a memorável investigação do assassinato de duas mulheres em um quarto fechado, é o carro-chefe desta reunião de histórias de terror e mistério traduzida por ninguém menos que Clarice Lispector. Grande leitora e fã da literatura policial, a escritora, que também verteu para o português os livros de Agatha Christie sob o pseudônimo de Mary Westmacott, empresta seu talento invulgar ao gênio de Poe, trazendo para o leitor brasileiro histórias como “A máscara da morte rubra”, “O gato preto”, “Ligeia” e outras. Lançamento do selo Fantástica Rocco, esta edição de Os crimes da rua Morgue e outras histórias extraordinárias recupera este encontro, literalmente, fantástico.


Acho que nunca me senti na posição onde não saberia o que falar sobre um livro. Primeiramente pelo fato dele ser uma coletânea de contos policiais / suspense / sobrenatural. E segundo ser um clássico da literatura escrito por um autor pioneiro na literatura policial que inspirou tantos autores que hoje agradam leitores de todos os lugares: Edgar Allan Poe.

Aqui tive contato com o trabalho de duas pessoas reconhecidissímas no meio literário que ainda não tinha tido o prazer de conhecer, sendo eles o próprio Edgar Allan Poe, e também a tradutora que colocou muita personalidade na obra: Clarisse Lispector. Confesso que saber que a Clarisse traduziu o livro me animou muito mais em ler a obra do que o fato de ser um clássico do Poe. Mas descobri ao longo da leitura que o trabalho combinado dessas figuras resultou em um magnifico livro.




Stefani Almeida
Arquiteta e Urbanista
Apaixonada por livros, filmes, series
fotos e Funko Pop
 
© Galáxia de Ideias, VERSION: 01 - BLUE UNIVERSE - janeiro/2018. Todos os direitos reservados.
Criado por: Maidy Lacerda. Widget inspirado/base do menu por MadlyLuv
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo