RESENHA DE A MULHER NA JANELA – POR A.J. FINN
RESENHA DE CONTAGEM REGRESSIVA – POR KEN FOLLETT
RESENHA DE UM SEDUTOR SEM CORAÇÃO – POR LISA KLEYPAS

[Resenha] Um verão inesquecível – por Mary Balogh

13 setembro 2018
Título: Um verão inesquecível [Os Bedwyns #0.6]
Autor (a): Mary Balogh
Páginas: 316
Editora: ASA (Portugal)
Skoob || Goodreads
Compre: Amazon



Sinopse: Kit Butler é um dos mais afamados solteirões de Londres, casar é a última coisa que lhe passa pela cabeça. Mas a sua família tem outros planos. Para contrariar o casamento que o pai lhe arranjou, Kit precisa de encontrar uma noiva... e depressa. Entra em cena Miss Lauren Edgeworth. Lauren foi abandonada em pleno altar pelo seu noivo, Neville Wyatt. Destroçada, decide que não voltará a passar pelo mesmo: nunca casará. O encontro entre estas duas forças da natureza é tão intenso como uma tempestade de verão... e ambos engendram um plano secreto. Lauren concorda alinhar na farsa em troca de um verão recheado de paixão e aventura. No final, ela romperá o noivado - o que afastará possíveis pretendentes - deixando-os a ambos livres. Tudo corre na perfeição, até que Kit faz o impensável: apaixona-se por Lauren. E um verão já não é suficiente para ele. Mas o tempo não para e Kit sabe que terá de apelar a mais do que as suas vulgares armas de sedução para conseguir convencer Lauren a entregar-lhe o seu coração... na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, para o resto das suas vidas.

Resenhas anteriores:

Os Bedwyns #0.5: Uma noite de amor

Depois de ser abandonada no altar, um ano antes, Lauren está cansada: cansada de receber olhares de pena, cansada dos parentes encontrando pretendentes por ela na tentativa de ajudá-la, cansada de saber que nunca será uma mulher tão interessante quanto a atual esposa do seu ex noivo, e, mais: está cansada de saber que nunca mais se colocará em uma situação em que possa ter o coração partido daquela forma novamente... Tudo que ela quer é firmar residência em Bath e viver em paz como uma solteirona para o resto da vida. Mas como fazer com que os parentes entendam e aceitem isso? Para surpresa da Lauren, a resposta aparece na forma do libertino com a pior reputação de Londres: Kit Butler. 



Barbara M. Cabalero
Advogada, concurseira e apaixonada por livros desde criança.
Meu gênero favorito é fantasia, mas sou bastante eclética,
leio quase todos os gêneros.

[Resenha] Jardim de Espelhos - Por Veridiana Maenaka

21 agosto 2018

Título: Jardim de Espelhos
Autor (a): Veridiana Maenaka
Páginas: 350
Editora: Giz Editorial
Skoob || Goodreads
Compre: Amazon || Saraiva || Submarino



Sinopse: São Paulo, 1880
Cristina nasceu de um relacionamento proibido entre dois jovens da alta sociedade, por isso é rejeitada e entregue, ainda bebê, a uma mulher humilde. Ignorante de sua origem, cresce como serviçal na fazenda Redenção. Apesar da diferença social, ela e André, filho do dono da propriedade, tornam-se companheiros de folguedos e, na adolescência, namorados. Mas esse amor custa caro a Cristina, e ela cai em desgraça. Quem a salva do desamparo é Olívia, reconhecida alcoviteira, que a transforma numa mulher cobiçada e elegante, uma acompanhante de alto luxo.
Na solidão dessa vida a um só tempo glamourosa e degradante, Cristina reencontra André, o amor de infância. Obcecada por reconquistá-lo e retornar triunfante à fazenda Redenção, a moça precisará da ajuda do detestável – e atraente – Eduardo.
Paixões, intrigas e sensualidade num envolvente romance de época.


Maria Cristina Ribeiro, ou simplesmente Cristina, é serviçal na fazenda Redenção e desde que se conhece por gente, nunca recebeu qualquer afeto dos pais adotivos.

Aliás, o pai adotivo ela mal vê, além de nunca ter se sentido realmente bem vinda no seio daquela família formada por uma cozinheira e um ferreiro que mal e porcamente parecem um casal. Ela não tem ideia, entretanto, que na realidade nasceu de um romance proibido entre dois jovens da alta sociedade. Henrieta e Diogo, que não podiam ser mais diferentes em temperamento e personalidade, ficaram juntos e desse romance, nasceu Cristina, condenada, pela hipocrisia de uma sociedade que submete as mulheres a regras estúpidas e sufocantes, a não receber o amor que qualquer criança deveria merecer só pelo fato de ser fruto de um romance fora do casamento.




Renata Cezimbra
Professora desempregada, leitora voraz,
escritora doida e vampiróloga amadora.

[Resenha] Tudo aquilo que eu não disse - por Kathryn Hughes

17 agosto 2018

Título: Tudo aquilo que eu não disse
Autor (a): Kathryn Hughes
Páginas: 352
Editora: Astral Cultural
Skoob || Goodreads
Compre: Amazon


Sinopse: A vida da doce Tina Craig parece estar destinada a mesmice dos anos 70: ela vive presa em um casamento infeliz com um marido problemático. Isso desafia Tina a unir todas as suas forças para sair desse abismo e finalmente conquistar a paz de espírito que ela tanto quer. Seu destino toma um rumo diferente quando ela encontra uma carta escrita em setembro de 1939. A carta, que nunca chegou ao destino certo, lhe traz uma nova esperança, um alento para o seu coração tão maltratado. Tudo muda de figura quando a vida de Tina se choca com os destinos do casal Billy e Chrissie, trazendo William, um jovem em busca de sua mãe biológica, para sua jornada por conta de um mero acaso.


 "Ela podia sentir o desespero dele. Já vira tudo aquilo antes. Nesse estágio, ele faria e diria qualquer coisa para acalmá-la. O ciclo era tão familiar."

Quando Tina Craig entrou no ônibus e encontrou um motorista moreno e bonito que chamava atenção e que sorriu para ela, imaginou que seu felizes para sempre teria finalmente chegado após sua vida triste na qual ficou órfã e sozinha no mundo bem cedo. Porém, tal crença durou pouco, e no dia de seu casamento, logo no início de sua lua de mel, Tina descobriu que aquele talvez fosse na realidade o início de seu inferno particular quando Rick, seu novo e bêbado marido lhe atingiu com um tapa. À medida que os dias e depois os anos passavam, Tina viu sua situação se agravar intensamente, e cada um de seus dias era imaginado como o último, pois a cada novo soco ela tinha certeza que iria morrer. Cansada, com dificuldades financeiras e trabalhando diversas horas para cumprir com as obrigações das contas a pagar, ela decide que gostaria de deixar o marido, e quando ele encontra e gasta as parcas economias de Tina em uma aposta de cavalos e é contemplado, ela vê a oportunidade perfeita de partir de vez.  No mesmo dia em que decide fugir, Tina encontra por um acaso, no bolso de um velho paletó na loja de bazar na qual ela trabalha, uma antiga carta nunca enviada, datada da segunda guerra mundial, com a história de um amor aparentemente perdido e uma família desfeita.




Tamara Padilha
Leitora compulsiva com foco em quase todos os gêneros
(exceto os romances de época e ficção científica).
Apaixonada por escrita, e em breve bacharel em direito.

[Resenha] Cira e o Velho - Por Walter Tierno

14 agosto 2018

Título: Cira e o Velho
Autor (a): Walter Tierno
Páginas: 232
Editora: Giz Editorial
Skoob || Goodreads
Compre: Amazon || Saraiva || Submarino


Sinopse: Cira, linda guerreira e bruxa, descende da antiga linhagem das sereias. Sobre o ombro esquerdo, carrega o feroz crânio de seu pai, Cobra Norato. No seu coração, traz o desejo de vingança contra o sertanista Domingos Jorge Velho, assassino de sua mãe.
Na colorida paisagem de um surpreendente Brasil Colônia, Cira encontra criaturas fantásticas como os reis animais, o guardião dos pés virados, os mboitatás e a irmã de seu pai, a terrível Maria Caninana. Mas a maior batalha de Cira terá como cenário o grande Quilombo dos Palmares, quando enfrentará, finalmente, o seu grande inimigo: o Velho.
Cira e o Velho, inspirado no Brasil do século XVII, é uma aventura cheia de ação, humor e surpresas, que mostra a história e o folclore brasileiros como você nunca viu!

Um misterioso viajante sem nome está em busca de uma antiga, mas quase desconhecida, lenda: Cira.

Quase nada se sabe sobre ela, exceto esparsos fragmentos que não dizem muita coisa, mas algumas pessoas, além de criaturas do folclore tupiniquim que vivem escondidas entre as pessoas, conhecem muito bem a história da guerreira e bruxa Cira, que descende da antiga linhagem das sereias.

Entre lendas, mitos e verdades, o narrador conta a saga de Cira desde seu nascimento até a busca por se vingar do assassino de sua mãe, que também quase a matou quando era criança. Mas talvez nem aquele que narre a história deixe de esconder segredos.




Renata Cezimbra
Professora desempregada, leitora voraz,
escritora doida e vampiróloga amadora.

[Resenha] Extraordinárias - por Duda Porto de Souza e Aryane Cararo

10 agosto 2018
Título: Extraordinárias - Mulheres que revolucionaram o Brasil
Organizadoras: Duda Porto de Souza e Aryane Cararo
Páginas: 208
Editora: Seguinte
Skoob || Goodreads
Compre: Amazon


Sinopse: Dandara foi uma guerreira negra fundamental para o Quilombo dos Palmares. Bertha Lutz foi a maior representante do movimento sufragista no Brasil. Maria da Penha ficou paraplégica e por pouco não perdeu a vida, mas sua luta resultou na principal lei contra a violência doméstica do país. Essas e muitas outras brasileiras impactaram a nossa história e, indiretamente, a nossa vida, mas raramente aparecem nos livros. Este volume, resultado de uma extensa pesquisa, chega para trazer o reconhecimento que elas merecem. Aqui, você vai encontrar perfis de revolucionárias de etnias e regiões variadas, que viveram desde o século XVI até a atualidade, e conhecer os retratos de cada uma delas, feitos por artistas brasileiras. O que todas essas mulheres têm em comum? A força extraordinária para lutar por seus ideais e transformar o Brasil.

"Cada mulher tem sua parte heroína. Enfrentar os preconceitos que mesmo no século XXI são tão presentes em nossa sociedade, dando conta também de tantos papéis e exigências, é, sem dúvida, prova de força. Prova. Essa palavra que nasce conosco e nunca nos abandona. Parece que temos de provar tudo a todos a todo momento, embora a gente saiba muito bem que ninguém nunca deveria ter de provar nada para garantir direitos iguais e respeito.
Mas quem seria sua heroína? Não vale falar da Mulher-Maravilha, Jean Grey, Mulan, Katniss Everdeen, Beatrix Kiddo ou Trinity. Queremos saber quem é sua heroína de verdade, de carne e osso, aquela que você admira, cuja história conhece, com quem se identifica. Joana d’Arc? Frida Kahlo? Marie Curie? Cleópatra? É fácil citar estrangeiras, mas onde ficam as brasileiras nessa lista? Sua inspiração é uma de nós?"

Ao longo da história, as mulheres percorreram uma jornada de desigualdade imensa. Por muitos anos, embora muitas delas tenham feito coisas inimagináveis e tenham se destacado realizando atos muito à frente de seus tempos, esses atos foram anulados especialmente por causa do sexo que essas mulheres carregavam, e por muitos anos a típica frase lugar de mulher é em casa, na cozinha ou no fogão imperou, renegando a essas guerreiras um papel secundário e estabelecendo onde a sociedade patriarcal e machista acreditava que elas deveriam se encaixar, sem que lhes fosse dado opções. Porém, muitas delas ousaram, fizeram aquilo que era de seu desejo sem temer, e embora muitas vezes foram criticadas por isso ou até mesmo sofreram outras punições elas nunca desistiram.




Tamara Padilha
Leitora compulsiva com foco em quase todos os gêneros
(exceto os romances de época e ficção científica).
Apaixonada por escrita, e em breve bacharel em direito.
 
© Galáxia de Ideias, VERSION: 01 - BLUE UNIVERSE - janeiro/2018. Todos os direitos reservados.
Criado por: Maidy Lacerda. Widget inspirado/base do menu por MadlyLuv
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo