RESENHA DE A MULHER NA CABINE 10 – POR RUTH WARE
RESENHA DE A FOGUEIRA - POR KRYSTEN RITTER
RESENHA DE VULGO GRACE - MARGARET ATWOOD

[Resenha] Fortaleza impossível - Por Jason Rekulak

08 janeiro 2018


Título: Fortaleza impossível
Autor (a): Jason Rekulak
Páginas: 272
Editora: Arqueiro
Skoob || Leia um trecho!
Compre: Amazon || Submarino || Americanas

Sinopse: Até maio de 1987, Billy Marvin – um garoto de 14 anos que mora numa pequena cidade em Nova Jersey – é definitivamente um nerd feliz.
Ele e seus amigos inseparáveis, Alf e Clark, passam as noites se empanturrando de biscoitos e milk-shakes diante da TV, assistindo a filmes e conversando sobre música, cinema e seriados. Com a mãe trabalhando no horário noturno e a casa toda para si, Billy vara a madrugada fazendo aquilo que mais ama: programando videogames em seu computador.
Mas então a Playboy publica as fotos escandalosas de Vanna White, a famosa apresentadora de TV por quem os três são fascinados. Como ainda não são maiores de idade para comprar a revista, eles planejam um ousado assalto para roubá-la. É quando Billy conhece a brilhante, enigmática e também nerd Mary Zelinsky, e tudo começa a mudar...


2017 definitivamente foi o ano nostalgia anos 80. Tivemos várias pérolas como a série Stranger Things, o remake muito bem produzido de It, e ainda no finalzinho do ano a Netflix nos presenteou com a espetacular série Dark. Não tinha timing melhor do que esse para Fortaleza do impossível ter sido lançado. Jason Rekulak nos leva a uma viagem gostosa ao passado despertando sensações de reconhecimento e familiaridade, principalmente para a galera que foi jovem entre final dos anos 80 e início dos 90. Apesar de ter apreciado e vivenciado essa neblina nostálgica, o autor pecou em alguns aspectos que considero importante, principalmente quando um livro é destinado ao público juvenil.

"Mas foi então que playboy publicou as fotos da apresentadora da Roda da Fortuno, Vanna White, por quem me apaixonei perdidamente, e tudo começou a mudar."


Em Fortaleza Impossível acompanhamos a história de três amigos de 14 anos tímidos, levemente excluídos e que não namoram, mas são obcecados pelo sexo feminino. O desejo dos garotos é tanto que eles alugam a mesma fita de filme toda semana somente para assistir 10 segundos de nudez. A maior musa do trio é Vanna White, apresentadora gata do programa Roda da Fortuna. A história realmente começa quando descobrem que ela posou nua para Playboy mudando totalmente suas vidas. O grande problema é que eles são menores de idade, e como tal, ninguém os venderia a revista, e assim, começa uma sucessão de planos para adquirirem um exemplar.

"– Mas dessa vez é diferente. Não tenho nem computador. [...]– Está bem – declarou Zelinsky. – Você pode usar o showroom. Mas isso não muda nada. [...]E foi assim, sem mais nem menos, que voltamos à atividade."

Após vários planos fracassados, os garotos encontram auxílio em um garoto mais velho que bola um plano no qual é necessário que um deles deve conquistar Mary, a filha do dono da loja na qual vende a revista. Billy fica encarregado da tarefa, o jovem só não contava que Mary compartilhasse da mesma paixão que ele: programação. Todas as tardes os dois se encontram na loja e produzem o jogo Fortaleza Impossível, e aos poucos, o foco de Billy muda, e conseguir a revista para seus amigos já não é sua prioridade. Mas após acontecimentos inesperados, os amigos tomam uma atitude desesperada que faz com que Billy possa perder tudo aquilo que lutou para conquistar.




Assim que finalizei a leitura de Fortaleza Impossível fiquei pensando no quanto Jason Rekulak foi bem sucedido no quesito prender o leitor no enredo. Sério, é surreal o quanto mesmo discordando das atitudes dos personagens o enredo foi intrigante ao ponto de não fazer o leitor parar. Grande parte desse sucesso se deve ao fato dos personagens serem envolventes e coerentes com  aquilo que foram propostos a fazer.

O trio de amigos são como a maior parte de garotos de 14 anos. Cheios de hormônios, fazem piadas sujas, comem muita besteira e falam muita besteira. Esses atributos acompanhados dos anos 80 foi sensacional. Billy é o que ganha mais destaque e também o personagem que teve maior crescimento ao longo da estória (e nem foi tanto assim, mas está valendo). Ele mora sozinho com sua mãe que trabalha a noite deixando-o sempre sozinho, então, sua casa vira o point dos garotos. O sonho dele é ser um grande programador de jogos, coisa extremamente difícil e para poucos. Grande parte de seu crescimento pessoal se deve a convivência junto de Mary, que de fato é uma ampla dose de girl power na história.




Mary sofre bastante preconceito por ser acima do peso, e aí entramos nos pontos negativos do livro. Devo alertá-los que eles são de cunho pessoal, me incomodaram mas pode não incomodá-los. Pois bem, as atitudes e falas dos meninos são extremamente preconceituosas. Durante a leitura fiquei chocada com o disparate e falta de respeito que apresentam, no entanto, após a leitura percebi que isso era uma prática do passado. Os adolescentes colocavam apelidos maldosos uns nos outros, ofendiam-se, tomavam atitudes preconceituosas, mas não era considerado bullyng, era visto como algo normal, claro que não mudou meu ver sobre tais atitudes, só me fez refletir o quanto melhoramos nesse aspecto como humanidade. Acho justamente que essa foi a intenção do autor, ou prefiro pensar que foi, se me senti desconfortável com tais palavras é sinal de que minha consciência sobre preconceito e bullyng foi desperta. É algo a ser pensado não é mesmo?




Fora isso devo destacar que estava adorando o desenvolvimento do enredo, foi crescente e chega à um ápice, no entanto não gostei no ponto que cumina. Vejamos, em certo ponto os meninos fazem algo que tem consequências pesadas, só que o autor desvia desse foco no qual eles poderiam ter um aprendizado com suas ações indo em direção à um segredo revelado, tal segredo foi desnecessário e detonou essa aprendizagem que poderiam ter obtido. Senti que o autor criou o segredo de Mary somente para fazer com que o Billy se sentisse mal pelo que fez anulando totalmente a possibilidade de um verdadeiro arrependimento, dando assim espaço para um remorso. Pra mim foi um erro essa escolha (mais uma vez, minha opinião).




Mas deixando de lado os aspectos negativos, o ponto alto da trama é sem dúvida a ambientação dos anos 80. Me peguei lembrando dos momentos em que jogava vídeo game com meu irmão e assoprava a fita quando não pegava (sabiam que isso nunca resolveu? Muito pelo contrário só oxidava o interior devido a saliva. Bizarro não, mas funcionava!). Ou quando saia da escola e ia a locadoras alugar fitas. Ou das tardes que perdia com meu irmão nas lojas de Games Online. Pura nostalgia, o autor trouxe com grande veracidade essa época encantando a cada página. Além disso, para aqueles que gostam e desejam, Fortaleza impossível, o jogo que eles criam, foi desenvolvido e vocês podem se divertir jogando-o.




A edição física do livro é um elogio a parte. A editora arqueiro arrasou no quesito referência. A capa trás uma interpretação do jogo com cores fortes e que despertam visualmente a curiosidade de todos que veem. Internamente não deixa a desejar, cada começo de capítulo trás um código de programação e o título todo pixelizado. Um verdadeiro charme a parte.

Enfim, esse livro é o tipo que deve dividir opiniões, ou você amará, ou odiará. Eu particularmente tive uma experiência positiva e recomendo para aqueles que gostam da temática, mas alerto, não é o tipo de livro que agrade a todos.














Stefani Almeida
Arquiteta e Urbanista
Apaixonada por livros, filmes, series
fotos e Funko Pop
14 Comentários | BLOGGER
Comentários | FACEBOOK

14 comentários:

  1. Ola! Eu compraria esse livro só pela capa. Apesar do genero não ser o que bsco no momento, meu irmão adora e já coloquei a lista dele rs.

    Bjs, Tell me a Book

    ResponderExcluir
  2. Otima resenha, amei a sinceridade! Sobre o livro não me chamaria a atencão e se pegassr para ler ate leria devido a criação do jogo, já que gosto de games... mas me conhecendo e os pontoa negativos que vc citou, com verteza me incomodaria, então prefiro passar o livro.

    Bruna
    https://odiariodoleitor.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Heiii, tudo bem?
    Ahhh que livro lindo!
    Ainda mais que ele remete aos anos 80, acho tudo de bom qdo vejo algo fazendo referencia a essa epoca.
    Ainda nao li Fortaleza impossível, mas meu namorado leu e amou demais como vc.
    A edição da Arqueiro como sempre está perfeita.
    Beijos.

    Livros e SushiFacebookInstagramTwitter

    ResponderExcluir
  4. Olá, tudo bom?

    Sim, 2017 foi uma boa época para quem viveu nos anos 80/90 e o pessoal soube criar coisas ótimas com a nostalgia. Apesar de ter nascido só nos anos 90, adoro muitos filmes, séries e músicas dos anos 80, realmente coisas incríveis foram criadas lá. Eu tava querendo ler esse livro, só fiquei com pé atrás quanto ao bully. Mas é como você falou, depois de pensar, temos que lembrar que era uma época diferente e isso era "normal" (no sentido de corriqueiro) naquela época. É bom percebemos que as coisas mudaram e, apesar de ainda ter bullying, o assunto é discutido e desestimulado. Além disso, envolver jogos na história aumenta a minha vontade de ler, rs.

    Enfim, adorei a postagem e agradeço a indicação :)
    Abraços.

    ResponderExcluir
  5. Realmente parece um livro bem divisor de opiniões, e lendo suas considerações acho que não faria uma leitura tão boa, então passarei! Adoro essa capa e acho a temática interessante, mas com certeza ficaria incomodada com muita coisa. Sua resenha ficou ótima!!! Adorei

    Super beijo

    ResponderExcluir
  6. Gosto muito da premissa deste livro e me vale muito saber que ele tem o poder de prender o leitor e pelo que andei vendo por aí a história é bem humorada. É um livro que quero sim ler.

    Beijos
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Olá, tudo bem?
    Após ler esta resenha, não me aguentei e fui ler um trecho do livro, logo no primeiro capítulo já sentimos emoção, deve ser uma leitura bem agradável e interessante. Adicionarei em minha lista de leitura.

    Abraços,
    https://jovemcigano.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Oi tudo bem?
    Gostei muito da sua resenha principalmente a sinceridade sobre gostarem ou não! Estou com foco em outro tipo de leitura, mas fiquei interessada nesse livro, anotado a dica , obrigado. Bjs!

    ResponderExcluir
  9. Eu também ficaria chateada em ler falas com gordofobia, mas creio que isso foi importante no livro para nos fazer refletir, não? Você não gostou então isso é sinal da consciencia que tem a respeito desse assunto, acho interessante! Adoro essas referências dos anos 80.

    ResponderExcluir
  10. Oi, Stéfani! Bom saber dos pontos negativos do livro também. É bem frustrante quando chegamos a uma parte em que o autor poderia ter tomado um rumo diferente e mais correto, mas partiu para o que pareceu ter sido "mais fácil" (não sei, eu teria que ler o livro pra saber).
    No mais, eu gostei da resenha, é um livro que eu leria fácil. Valeu a dica.
    Bjos
    Lucy - Por essas páginas

    ResponderExcluir
  11. Oii tudo bem??

    Já tinha lido uma resenha sobre ele, e acabei colocando na minha lista de desejados, mas lendo sua resenha acredito que deveria tirar dos desejados.
    Não devo gostar muito, esse cunho sexual sempre me irrita bastante, o lance do bullyng também, acho que ficaria bem irritada. Apesar de ver todas as series dos anos 80, não curto muito.
    Mas adorei a resenha, serviu para que eu conhecesse melhor o livro.
    Bjus Rafa

    ResponderExcluir
  12. Oiii,

    Eu já vi esse livro em varios lugares e nunca me interessei sequer para olhar a sinopse dele, achei interessante o enredo e a ambientação, mas o fato de a história ter tudo para ir por um caminho e ir por outro não tão convincente me desanimou muito, porque como é um livro infantojuvenil poderia acarretar um aprendizando ainda maior para os adolescentes que forem ler.

    Beijinhos...
    http://www.paraisoliterario.com

    ResponderExcluir
  13. Oie amore,

    Essa capa sempre me chamou a atenção, mas até então não tinha lido nada a respeito deste livro.
    Adoro livros juvenis e com certeza vou curtir esse.
    Essa coisa de amigos eu adoro e a aliança criada entre eles, pelo que você conta, me instiga ainda mais.
    Adorei as fotos, muito bem criadas e pensadas!

    Beijokas!!!
    www.facesdeumacapa.com.br

    ResponderExcluir
  14. Olá Stefani!!!
    Eu sou formada em Técnico em Informática e sei o quão difícil é ser programadora e ainda mais desenvolver um game que as pessoas se interessem e acabe ganhando visibilidade.
    Antes de comentar sua resenha eu dei uma olhadinha no jogo e acredite já adorei S2
    Além disso, o livro entrou na lista de quero ler pois pela sua resenha me vi nostálgica sobre coisas que eu fazia quando pequena apesar de ter nascido nos anos 90 algumas coisas eu pude aproveitar como as fases das fitas e dos games como Super Mario rsrsrs
    Adorei a resenha!!!

    lereliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir

 
© Galáxia de Ideias, VERSION: 01 - BLUE UNIVERSE - janeiro/2018. Todos os direitos reservados.
Criado por: Maidy Lacerda. Widget inspirado/base do menu por MadlyLuv
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo