RESENHA DE A MULHER NA JANELA – POR A.J. FINN
RESENHA DE CONTAGEM REGRESSIVA – POR KEN FOLLETT
RESENHA DE UM SEDUTOR SEM CORAÇÃO – POR LISA KLEYPAS

[Resenha] Mais lindo que a lua - Por Julia Quinn

21 fevereiro 2018

Título: Mais lindo que a lua
[Irmãs Lyndon #1]
Autor (a): Julia Quinn
Páginas: 272
Editora: Arqueiro
Skoob || Goodreads
Compre: Amazon || Submarino || Americanas

Sinopse: Mais Lindo Que a Lua, primeiro livro primeiro livro da série Irmãs Lyndon, é uma história irresistível sobre sobre reencontro e desafios, romantismo e perseverança.
Foi amor à primeira vista. Mas Victoria Lyndon era a filha do vigário, e Robert Kemble, o elegante conde de Macclesfield. Foi o que bastou para os pais dos dois serem contra a união. Assim, quando o plano de fuga dos jovens deu errado, todos acreditaram que foi melhor assim.
Sete anos depois, quando Robert encontra Victoria por acaso, não consegue acreditar no que acontece: a garota que um dia destruiu seus sonhos ainda o deixa sem fôlego. E Victoria também logo vê que continua impossível resistir aos encantos dele. Mas como ela poderia dar uma segunda chance ao homem que lhe prometeu casamento e depois despedaçou suas esperanças?
Então, quando Robert lhe oferece um emprego um tanto incomum – ser sua amante –, Victoria não aceita, incapaz de sacrificar a dignidade, mesmo por ele. Mas Robert promete que Victoria será dele, não importa o que tenha que fazer. Depois de tantas mágoas, será que esses dois corações maltratados algum dia serão capazes de perdoar e permitir que o amor cure suas feridas?


Victoria tem 17 anos e é a filha mais velha do vigário de seu povoado. Robert é o futuro Conde de Macclesfield. Em circunstâncias normais esses dois jamais se encontrariam, no entanto quando Victoria está andando com uma criança pela propriedade de Robert, ele a avista toda desengonçada, sem reservas e espontânea e fica imediatamente hipnotizado ao se aproximar dela. Logo no primeiro encontro eles percebem que são almas gêmeas e estão destinados a ficarem juntos. Eles passam a se encontrar todos os dias, e não demora muito para que o pai da jovem descubra as escapadas ficando horrorizado. Para ele, Robert não poderia querer outra coisa com a jovem a não ser desonrá-la. Já o pai dele, sempre tão afoito por sua linhagem pura aristocrática, pensa que a jovem é somente mais uma oportunista querendo subir na vida.


"Ela significara tudo para ele. Tudo. Ele lhe prometera a lua e estava sendo sincero. Ele a amara tanto que teria dado um jeito de puxar aquela esfera do céu para lhe entregar em uma bandeja, se ela quisesse."

Vendo que seria impossível ficarem juntos sem a interferência dos pais, o casal resolve fugir, no entanto a fuga dá errado. O vigário acorda no meio da noite e vê o que a filha está prestes a fazer, e num momento de fúria, ele à amarra com cordas a cama. Robert quando vê que a amada não aparece presume o pior, Victoria só o queria pelo dinheiro e parte na mesma hora para Londres. Já ela consegue fugir ao amanhecer e vai rumo à casa do amado encontrando o pai dele em seu lugar que lhe informa que Robert foi a Londres encontrar uma noiva a sua altura. Victoria fica arrasada e humilhada, pois acontece justamente o que o pai dissera. Ameaçada de ter sua reputação manchada, ela corta os laços com o pai e vai embora sem jamais olhar para trás.

"Ele sentiu o coração disparar e teve de procurar se lembrar que não gostava dela, que só queria seduzi-la e arruinar sua vida."

Sete anos depois Victoria se encontra infeliz e num emprego medíocre, na verdade, sua infelicidade se dá por sua patroa desprezível. Como fora educada com esmero, assim que saiu da casa do pai a jovem encontrou um trabalho como preceptora infantil, e desde então vem desempenhando seu papel em casas de família. Atualmente Victoria se encontra na casa de uma patroa odiosa que considera tudo que ela é errado e inconcebível. Diariamente é ameaçada em ser mandada embora e ficar na sarjeta, não ajuda muito o menino ser uma pestinha que adora pregar peças, e a última foi fazê-la se perder dentro no labirinto do jardim ficando horas presa sem ninguém para se importar em encontrá-la enquanto rola uma festa na residência. Cansada de esperar ajuda e de procurar a saída, ela vê sua salvação quando escuta vozes de dois amantes, para sua surpresa um deles era Robert.

"- Aprendi que o coração só existe para sofrer. O amor é o sonho de um poeta, mas a dor… A dor é muito, muito real."

Robert mal acredita em seus olhos quando vê Victoria no labirinto, imediatamente todo rancor e ódio por tê-lo feito de idiota recaem sobre si. Farpas são trocadas e ambos percebem que não são mais as mesmas pessoas. Victoria deixou de ser uma jovem sonhadora, e ele um homem leve e feliz. Renovado em seus propósitos, ele decide que irá destruir a vida de Victoria e deixá-la tão infeliz quanto ele está à sete anos. Ele faz diversas investidas as quais Victoria rejeita imediatamente, no entanto conforme o jogo avança ele percebe que ainda a deseja, que ainda a quer em sua vida. Jamais se casaria com ela, mas talvez como sua amante ela tivesse uma vida melhor. Victoria foge dele como o diabo foge da cruz, mas é inegável que todo seu corpo e coração ainda o deseja, infelizmente ele é o homem que destruiu seu coração sete anos atrás, e ainda hoje, tem o poder de esmaga-lo novamente.

Entre desencontros, mentiras e meias verdades, Robert e Victoria se encontram mais uma vez com suas vidas entrelaçadas, porém dessa vez sem ninguém para impedi-los a não serem eles mesmos.








Quem me conhece sabe o quanto amo os livros da Julia Quinn. Na verdade me apaixonei por romances de época depois de ler seus livros. Sempre que caio na ressaca literária não penso duas vezes antes de pegar algum de seus livros, pois é certeza que iria adorar e me divertir horrores. Então, imaginem minha tristeza em pela primeira vez ler um livro dela que não caí de amores. Confesso que já tinha visto algumas pessoas falando que não gostaram, que nem parecia que era escrito por ela, mas preferi ignorar e tirar minhas conclusões, afinal, é Julia Diva Quinn. No final das contas com menos de 70 páginas lidas constatei o porquê das pessoas em sua maioria (grandes exceções, várias pessoas amaram) terem odiado. Robert, o protagonista é detestável.






Lembro que uma vez disse em uma resenha que não consigo gostar 100% de um livro caso não me identificasse com os protagonistas, personagens e situações do livro. E foi por esses motivos que Mais lindo que a lua não me conquistou. Não me incomodei com o "insta amor", achei fofo o casal quando se apaixonaram e estavam felizes. Foi depois que eles se reencontram sete anos após o rompimento que as coisas desandaram pra mim. Robert é um anti herói. Está mais pra um "bad boy" de época, sempre me atraiu personagens assim, mas com ele foi TERRÍVEL. O cara simplesmente não sabe ouvir não. Passou todos os limites do bom senso em suas investidas, fora o controle absurdo que ele impôs sobre a vida da Victoria quando ela claramente falava que queria ser dona do seu próprio destino. Ele é um dominador nato e não restam dúvidas sobre isso. Robert poderia muito bem ser bisavô do Christian Grey (sem as partes do sadomasoquismo). Compra presentes achando que isso vai agradá-la, aparece em todos os lugares onde ela está de forma inconveniente, deixando-a desconfortável. Sério, foram em vários lugares mesmo. Ela saía pra trabalhar, lá estava ele em sua porta esperando. Ela saía do trabalho, ele estava na porta esperando. Aonde ela ia ele estava atrás. O que salvou tudo isso foi que a Victoria tinha plena consciência das ações dele e fica muito frustrada e muito irritada com isso.






Victoria foi o ponto positivo do livro porque apesar das investidas sem noção dele, ela se manteve firme sobre aquilo que acreditava. Ela queria ser dona de si mesma, queria que ele a respeitasse, aceitasse aquilo que falasse e não impusesse suas vontades contra ela. Pensamos fortes de uma mulher forte que sabe o que é ter a vida fora de seu controle e não deseja que isso ocorra novamente. Demora muito, mas as coisas se encaixam.

Outro ponto positivo na história foram os personagens secundários. A tia de Robert, a prima, e também a irmã de Victoria são mulheres sensacionais. A tia super pulso firme e mostrando o quanto o sobrinho é um babaca, a prima cheia de alívio cômico e a irmã de Victoria uma exímia "extorquista" (adorei isso). Foram personagens muito bem trabalhados e desenvolvidos que fizeram a história valer muito mais a pena.  No quesito romance só posso dizer que foi bem cansativo acompanhar todo o processo dos dois. Ele sendo controlador e ela não querendo aceitar. Brigas, irritações e feridas mal curadas.






Queria deixar algo bem claro, essas foram às sensações que o livro me despertou. Nada do que estou dizendo é uma verdade absoluta. Incomodaram-me, mas podem não incomodar à vocês. Tem gente que leu e achou as atitudes do Robert românticas e tomadas unicamente para protegê-la. Não penso dessa forma, pois ninguém deve perder o direito de decisão sobre suas ações. Isso fez com que deixasse de gostar da Julia Quinn? De jeito nenhum, continuo achando ela diva do mesmo jeito, aliás, esse é o segundo ponto positivo do livro. A escrita da Julia Quinn é sensacional, mesmo me irritando, desgostando e querendo dar uns tapas na cara do Robert, o livro fluiu espetacularmente rápido. Característica da autora e prova do quanto ela é sensacional e consegue fazer até mesmo o leitor acompanhar o desenrolar do pior “mocinho” do mundo.

Nem preciso dizer que a edição do livro é sensacional né. Essa é de longe a capa favorita de todos os livros que foram publicados aqui no Brasil. Internamente segue o padrão de qualidade da Editora Arqueiro que encontramos em todos os livros da autora. Folhas amareladas, diagramação e revisão perfeita, e por fim, orelhas em ambas as capas.






Enfim, acredito que esse livro é do tipo ler para tirar as conclusões. Como disse, numa escala de todos os livros que li da autora, Mais lindo que a lua ficaria em último com toda certeza, mas outras pessoas o amaram. Tem seus pontos positivos, seus altos e baixos, e essa análise será pessoal de cada um. Então que tal ler só pra tirarem essa dúvida?












Stefani Almeida
Arquiteta e Urbanista
Apaixonada por livros, filmes, series
fotos e Funko Pop
0 Comentários | BLOGGER
Comentários | FACEBOOK

0 comentários:

Postar um comentário

 
© Galáxia de Ideias, VERSION: 01 - BLUE UNIVERSE - janeiro/2018. Todos os direitos reservados.
Criado por: Maidy Lacerda. Widget inspirado/base do menu por MadlyLuv
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo