RESENHA DE UMA HISTÓRIA DE VERÃO – POR PAM GONÇALVES
RESENHA DE UM BEIJO Á MEIA-NOITE – POR ELOISA JAMES
RESENHA DE OS PÁSSAROS – POR FRANK BAKER

[Resenha] Os Pássaros - Frank Baker

09 fevereiro 2018

Título: Os Pássaros
Autor (a): Frank Baker
Páginas: 306
Editora: Darkside Books
Skoob || Goodreads
Compre: Amazon || Submarino || Americanas

Sinopse: Pássaros. Milhares, talvez milhões, sobrevoam Londres, de forma aparentemente inexplicável e sem sentido, onde parecem observar os habitantes da capital, que os consideram divertidos, se tanto um pouco estranhos. Enquanto as pessoas ainda tentavam entender o que faziam ali, eles começam a atacar, ferindo e até mesmo matando com tremenda brutalidade e violência. Seriam eles uma força da natureza ou uma manifestação sobrenatural? Ninguém sabe. A única certeza é que o objetivo dos pássaros é a destruição da humanidade e ninguém tem ideia de como impedi-los...

A Londres de 1935 é uma cidade cosmopolita e moderna até onde sua antiga e charmosa arquitetura lhe permite ser. Pessoas vem e vão todos os dias nos metrôs e bondes vivendo a vida um dia de cada vez sem se preocupar com o futuro, tão somente levando os esportes a sério. Até que, em mais um dia comum desses, seres emplumados voadores aparecem inesperadamente pela cidade.

"Antes da chegada dos pássaros” era uma frase que meu pai usava muito. Quando criança, dei pouca atenção a tais palavras; elas formavam tão somente uma sentença em uma linguagem de adulto com a qual não me importava. Mas certa vez, quando havia feito algo que as crianças fazem e era proibido -não consigo me lembrar o quê – ele me disse com o humor alterado com qual sempre me repreendia: “Anna, se você vivesse antes da chegada dos pássaros, teria que ir a um lugar chamado escola, onde se sentaria em uma escrivaninha o dia inteiro, aprendendo um monte de coisas estúpidas que não teriam utilidade alguma. Então, agradeça pelo que você tem. E minha mãe acrescentava: “Sim, Anna. E em vez de correr no jardim sem roupas, como sempre faz, você teria que usar trajes feios, não importa o calor que estivesse fazendo." – Pág. 32

Os pássaros, um número muito maior do que até então costumavam ser vistos, a princípio apenas observam a cidade e sua população, que os acha bonitinhos e graciosos. Eles, porém, adoram sujar tudo com seus excrementos e até mesmo incomodam mais do que seria aceitável.

Até que uma mulher, em uma cabine telefônica, inesperadamente morre de causas não reveladas.

Pelo menos até um jovem nos seus vinte e cinco anos e com uma vida regrada e trabalhadora descobrir, tarde demais, que o objetivo dos pássaros é muito mais sinistro do que o princípio sugeria e agora ele tem de descobrir o que há por trás disso. Contando com a ajuda da soviética Olga, que será uma peça chave para o que virá.

"O cinema consistia em histórias gravadas por um processo chamado cinematografia. Essas imagens de homens e mulheres atuando eram exibidas em uma tela enorme. Eram, em suma, imagens ou cenas em movimento: outra invenção maravilhosa do ser humano. As vozes dos atores eram reproduzidas por um sistema de ondas sonoras sincronizado com suas ações. Quando eles falavam..." – Págs. 112 e 113.

Se ele vai descobrir, o único modo de saber é embarcando na aterrorizante jornada criada por Frank Baker em um livro que se tornou por merecimento um clássico do terror. “E o cinema?

Essa provavelmente era a diversão mais influente oferecida aos homens e mulheres. Como o rádio, poderia ser usufruído a quase todas as horas do dia, embora, diferentemente do rádio, não ficasse dentro de casa. (Tenho certeza de que logo estaria. No meu tempo, eles estavam encaminhando nessa direção.) Um homem tinha que ir a teatros especiais para conseguir este tipo particular de fuga da realidade.








Eu sei que o meu post dessa semana deveria novamente vir da Argentina. Porém, escrevendo um novo livro, um terror com vampiros já todo formado na minha cabeça, me veio a vontade falar de um dos melhores, porém mais incômodos, livros que li em 2017.







Antigo? Sim. Atual? Igualmente. A construção da minha fala, pelo menos no ponto de vista de um purista da língua portuguesa, soa contraditória e até sem sentido. Garanto, entretanto, que faz muito. Muito mesmo, ainda mais quando o autor descreve, com uma minúcia que muito bem poderia ser a nossa realidade em 2018, a vida real da Londres de 1935.







O pior de tudo, porém, é que, desde o começo do livro, sabemos que o protagonista e narrador, nessa ocasião um homem nos seus oitenta e cinco anos, há sessenta vive em um mundo completamente arruinado cujas profundezas nunca chegamos realmente a desvendar. O que sabemos, porém, é suficiente para nos perguntar como o mundo se reergueu depois do “advento dos pássaros”, ainda mais quando fica implícito que a maioria das coisas que conhecemos como o básico não mais existe. Como uma distopia daquelas que hoje são livros tão comuns. Considerando que isso fica claro desde o início do livro, não considero spoiler, porém, como tudo aconteceu é sim, por isso não posso detalhar como eu gostaria. Posso comentar, entretanto, que a cena é aterradora, digna de um filme de terror. Bem pior que no filme de Hitchcock.







"De repente, ela largou minhas mãos e caminhou alguns metros. Quando se virou, o luar atingiu seu rosto, dando-lhe uma aparência transparente e fantasmagórica.
“Não posso ajudá-lo”, disse ela. Suas palavras pareciam soar de muito longe. Sentia-me como se estivesse sufocando, lutando para respirar. Havia uma barreira entre nós, como uma névoa grosseira, a qual eu não conseguia atravessar. Minha cabeça balançou, parecia que eu não conseguia controlar meu corpo." – Pág. 220



O mais aterrorizante, porém, é bem mais que só a ameaça dos pássaros. É a capacidade das pessoas de não levarem a vida a sério quando realmente precisa. A falta de iniciativa da maioria em mudar o que está errado. Não assumir o que realmente sentem. Serem capazes de se permitir declinar pelo ritmo da falta de moral do mundo. Tudo isso, somado a uma narrativa em primeira pessoa que intercala passado e presente, torna a leitura uma excelente experiência, mas também incômoda até não poder mais. Inclusive eu demorei a terminar o livro porque me identifiquei muitas vezes com o narrador e identifiquei várias situações da vida real que não raras vezes me alteram o humor. Fica difícil pensar sem sentir mal e assustado em como as pessoas no livro simplesmente não se davam conta do perigo em volta delas e só tarde mais é que elas foram notar.







Outros, e certamente os mais aterrorizantes, pontos da trama são: de onde vem os pássaros e o que eles realmente são? Durante boa parte da história o autor apenas diz que tentaram capturar, espantar ou matar os animais, mas que não fizeram sequer um arranhão. No entanto, duas cenas do livro dão uma séria pista, ou esclarecem, sobre do que realmente se tratam os pássaros e isso é o que mais realmente assusta o leitor, pois ninguém teria pensado em uma (quase) solução tão inacreditável, mas ao mesmo tempo tão cheia de sentido. De tal forma que você fica pensando no livro um bom tempo depois de ler.







"Olhei para o céu. No leste, havia um limpo amanhecer, com uma listra cor-de-rosa encostando-se na última abobada verde da noite. No entanto, a oeste, uma longa faixa de nuvens pretas pressionava levemente o horizonte. E ventava desde lá. Senti o vento resfriando aos poucos o meu corpo ate eu começar a tremer. Estava mais frio agora do que em semanas. Lembrei-me de outra manhã, quando eu havia acordado cedo, seguido para a piscina e visto os pássaros na superfície da água espessa como terra arada. Não fazia nem um mês, e, ainda assim, parecia outra existência. Nós estávamos meio entretidos, então, por um monte de pássaros. E agora todos eles haviam ido embora; o mundo estava voltando à normalidade. Olhei em volta, para o telhado e para a árvore. Não havia pássaros." – Pág. 252.



Não apenas fica pensando na leitura, mas também apreciando a edição caprichadíssima da Darkside Books, com sua lombada em preto e branco e o corte das folhas pretas. Isso sem contar as folhas amareladas e o excelente espaçamento da fonte que está em muito bom tamanho e igualmente confortável para a leitura.







Sei que o texto ficou mais curto do que geralmente faço, de novo, mas apesar de Os Pássaros ter me marcado bastante, falar dele não dá nem um terço do que realmente vocês podem esperar do livro. Mas posso deixar um aviso: se avistar um pássaro estranho, não abra a janela.









Renata Cezimbra
Professora desempregada, leitora voraz,
escritora doida e vampiróloga amadora.
19 Comentários | BLOGGER
Comentários | FACEBOOK

19 comentários:

  1. Olá!!
    Ganhei esse livro no ano passado em meu aniversário!! Vou lê-lo em Outubro, estou super ansiosa!! Nem assisti ao filme de Hitchcock porque quero conhecer o livro primeiro!
    Adorei ler sua resenha, só me deixou com mais vontade de fazer essa leitura! =D
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Oi Renata, tudo bem?
    Nossa, sua resenha ficou bem completa!
    Eu gosto desse tipo de livro e faz algum tempo que quero compra-lo, mas no final sempre aparece algum outro que já está na fila de espera há muito tempo e eu desisto de comprar..rss
    Mas, vou fazer fazer o possível para comprar e ler ele esse ano ainda.

    Beijos e abraços
    http://vickyalmeida.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oie! Não sabia que o filme havia se baseado em um livro :O (pra mim o filme nem é terror, porque eu acho muito engraçado kkkkk). Eu não costumo ler terror, mas esse parece ser interessantíssimo (não pelos pássaros, acho que mais pela profundidade da construção do cotidiano da obra). Com certeza vai entrar na minha lista.
    As edições da Darkside são sempre tão lindas, né? Dá até gosto comprar kkkkkk
    Adorei a resenha. s2

    ResponderExcluir
  4. Um clássico que eu faria questão de ter na minha estante, seja pela edição linda, seja pela história intrigante e nada melhor que ficar pensando no livro depois de ler. Quero muito.

    Beijos.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Acho que esse livro deve ser muito interessante, mas confesso que tenho um pouco de medo de ler, hahahahaha. Mas um dia ainda junto coragem e tento.
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bem? Caramba, parece ser um livro bem aterrorizante, hahaha. Adorei sua resenha e fiquei curiosa para ler, porém tenho medinho, haha.

    Beijos,
    https://duaslivreiras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Olá, tudo bem? Apesar da edição LINDÍSSIMA, e já ter pensado em ler hehe, sei que terror e livros que mexem nesse impacto não são do meu feitio. Aliás, eu corro dele hahahaha Deve ser uma leitura maravilhosa, afinal você disse que fica pensando nele mesmo depois, no entanto não faz meu estilo mesmo. Deve ser um prato cheio para quem curti o gênero. Ótima resenha e fotos <3
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Olá, tudo bom?

    Eu não li esse livro, mas é uma que eu quero aproveitar logo. Além de uma edição belíssima, como de praxe da Darkside, é a obra que originou o filme de Alfred Hitchcock, então fiquei bem curiosa para começar essa leitura. Pelo que você descreveu, sei que não será um livro fácil de se ler, mas que valerá a pena no final. Ainda mais pensando que dá para se identificar com várias coisas que acontece na vida real, como você mencionou. Só espero não desistir dessa leitura e gostar dela ;)

    Enfim, adorei a postagem e agradeço a indicação :)
    Abraços.

    ResponderExcluir
  9. Oi Renata!

    Tudo bem? Então, eu preciso dizer que o post tá incrível! As fotos estão maravilhosas (muito apaixonantes!), mas o livro em si não me chama atenção.

    Não leio terror por dois simples motivos: sou extremamente medrosa e fico impressionada com qualquer coisa. Não tenho problema com tramas mais sombrias, mas quando tem o pezinho no terror eu já perco o interesse total.

    Acho que um clássico é uma história atemporal sabe? Então quando você fala que ele é antigo e mesmo assim atual eu com certeza eu já o coloco nesta classificação.

    Enfim, a resenha ficou maravilhosa e eu com certeza iria ficar morrendo de medo até de pardais depois que lesse Pássaros pelo que entendi, então prefiro passar a dica desta vez.

    Beijinhos
    www.paraisoliterario.com

    ResponderExcluir
  10. Olá! Tenho uma pequena dificuldade com livros com essa pegada sobrenatural, mas confesso que fiquei curiosa em relação a esse livro. Principalmente porque essas edições da DarkSide são maravilhosas rs.
    A propósito, amei sua resenha e estou completamente apaixonada pelas fotos! <3
    Florescer Palavras

    ResponderExcluir
  11. Aah que demais! Parece conter uma história intensa e bem sinistra, também fiquei curiosa em relação aos pássaros. A edição está incrível e cheia de detalhes. Espero conferir essa história um dia, bjss!

    ResponderExcluir
  12. Oi Renata tudo bem?
    Ainda não li esse livro, mas está na minha lista de desejados, já ouvi falar muito dele e cada vez mais me vejo curiosa sobre a narrativa, a editora DarkSide nem tenho o que falar tenho vários dela e sem sombra de dúvida, é das melhores que conheço em relação a edição e capa. Sua resenha ficou maravilhosa parabéns. Bjs!

    ResponderExcluir
  13. Oie.
    Eu sou fãzona do Hitchcock (pelo visto não tanto kkkk) mas não sabia que Os Pássaros tinha sido inspirado num livro. Simplesmente amo esse filme! Já tô louca pra ler!
    Ano passado li Psicose e foi uma das melhores leituras do ano.
    Adorei sua resenha e claro que foi pra lista. Tô besta até agora de não saber da existencia desse livro. kkkkk
    PS: Amei seu funko do Ghostface, tão fofo! rs

    Bjsss

    http://www.cafeidilico.com

    ResponderExcluir
  14. Olá!

    Amei a capa desse livro logo de cara, mais uma edição maravilhosa da DarKSide sim ou claro? Mas infelizmente esse não é meu tipo de leitura habitual, mesmo assim curti muito sua resenha e de saber sua opinião sobre a obra. Parabéns pelo trabalho.

    Beijos

    ResponderExcluir
  15. comprei ano passado mas ainda nao li, tua resenha aguçou minha vontade... adoro o filme do Alfred e por esse motivo quis conferir a obra escrita... curiosa com a 'origem' deles abordada no livro...
    bjs...

    ResponderExcluir
  16. Oii Renata, tudo bem? Sua resenha ficou ótima, bem elaborada, e as fotos lindíssimas. Eu tenho muuuita vontade de ler esse livro, e agora conhecendo melhor a história fiquei mais empolgada ainda. Fora que essa edição está maravilhosa *-* Espero ter a oportunidade em breve e gostar bastante também.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  17. Menina! Fiquei com muita vontade de ler,adoro um suspense, terror. A principio pensei em se tratar da obra de A. Hitchcock,achei bem parecida. E a Dark arrasa nas capas, pra quem coleciona então! Se amarra. Vou comprar e ler com certeza! Bjs

    ResponderExcluir
  18. Oi, tudo bem?
    Eu amei essa resenha e fiquei com muita vontade de ler o livro.
    De fato, a edição da darkside é linda, mas esse é um dos livros do catálogo deles que eu menos vejo comentários então não fiquei tão curioso pra lê-lo, mas agora eu vi que a história é muito boa;

    ResponderExcluir
  19. Olá,

    Eu gosto de suspense, porém corro fortemente do terror, até hoje só li uma obra do gênero e por enquanto é o bastante haha. Seus comentários sobre a obra foram muito encorajadores, mas não me senti tentada de fato a fazer essa leitura. Entretanto, teria adquiria essa edição sem problemas, porque além de linda, os caprichos com os detalhes estão só amor <3

    Beijos,
    http://oculoselivrosblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

 
© Galáxia de Ideias, VERSION: 01 - BLUE UNIVERSE - janeiro/2018. Todos os direitos reservados.
Criado por: Maidy Lacerda. Widget inspirado/base do menu por MadlyLuv
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo